"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

MOTELX: Do cinema de autor ao "pior filme de todos os tempos"

Já vai na 13.ª edição e neste ano, pela primeira vez, apanha uma sexta-feira 13. O Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa está de regresso nesta terça-feira, até 15 de setembro.

Midsommar - O Ritual, de Ari Aster.


O Cinema São Jorge, morada cativa do MOTELX, volta a abrir portas ao que de mais assustador anda por aí, dentro do seu género de eleição. O primeiro dos dois convidados de honra deste ano, Ari Aster - nome que ficou na moda depois da primeira longa-metragem, Hereditário -, vem a Lisboa, não só na qualidade de nova voz autoral, para dar uma masterclass (dia 15, 17.30), mas também para apresentar o seu último e tão aguardado filme, Midsommar - O Ritual (dia 13, 21.00). Esse que vai procurar a fibra do medo a uma comunidade sueca, em jeito de estudo antropológico, lançando um jovem casal num crescente feitiço macabro.

A contrastar com a alvorada da carreira de Aster, o outro nome-chave da 13.ª edição do festival lisboeta de terror é o do ator norte-americano Jack Taylor (n. 1936), lenda do cinema exploitation espanhol dos anos 1960-1980, colaborador regular dos praticantes do género, como Jesús Franco, que participou igualmente em filmes de Ridley Scott, Milos Forman ou Roman Polanski. O veterano marca presença no São Jorge na sexta-feira 13, para a sessão das 19.00, em que serão exibidos o documentário de Diego López, em sua homenagem - Jack Taylor, Testigo del Fantástico - e Necronomicon, um dos títulos mais arrojados de Jesús Franco, objeto de censura franquista, com a curiosidade de ter sido rodado em Lisboa...

Por falar em sexta-feira 13, a ocasião temática será assinalada pelo filme de culto de 1980, assim mesmo intitulado - Sexta-feira 13 (00.25) - de Sean S. Cunningham, estilo de comemoração cinéfila que se estende, entre outras efemérides, aos 40 anos de Alien - O 8º Passageiro, de Ridley Scott, a ser projetado numa cópia restaurada 4K (dia 15, 15.00).

Em competição estão oito longas-metragens europeias, com destaque para a portuguesa Faz-me Companhia (dia 14, 18.30), de Gonçalo Almeida, a encenar um fim de semana de estranhos eventos que marcará a relação entre duas mulheres (o realizador venceu, em 2017, o Prémio MOTELX para curtas-metragens com Thursday Night). Já na famosa secção de Serviço de Quarto, com 26 filmes, as atenções voltam-se para Bacurau (dia 10, 18.00 e 21.20), uma distopia no sertão brasileiro assinada por Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, que estreou no último Festival de Cannes onde venceu o Prémio do Júri; The Golden Glove (dia 12, 21.35), a estreia de Fatih Akin no universo do terror, com a violenta história de um serial killer na Hamburgo da década de 1970; ainda It Comes (dia 12, 16.15, e dia 15, 00.00), do japonês Tetsuya Nakashima, na boa tradição do terror sobrenatural; ou o blockbuster norueguês O Terramoto (dia 11, 21.10), disaster movie de John Andreas Andersen que é uma sequela de Bolgen: Alerta Tsunami - esta sessão traz o realizador ao São Jorge, um dia antes da estreia comercial do filme nas nossas salas.

Nesta terça-feira, a abertura do MOTELX faz-se com Ma (21.10), de Tate Taylor, o realizador de As Serviçais, que apresenta a oscarizada Octavia Spencer na pele de uma mulher solitária que oferece a cave da sua casa para um grupo de adolescentes conviverem... até se perceber a sua verdadeira intenção. O encerramento (dia 15, 21.35) está a cargo de Come to Daddy, de Ant Timpson, com Elijah Wood a despir o registo do eterno Frodo de O Senhor dos Anéis para protagonizar um bizarro reencontro entre um pai (Stephen McHattie) e um filho.

Para os mais novos, as propostas estão na secção Lobo Mau, com as animações O Pequeno Vampiro (dia 11, 10.30), de Richard Claus e Karsten Kiilerich, e Um Susto de Família (dia13, 10.30), de Holger Tappe, para além de curtas-metragens, workshops, ateliês de cozinha e bonecos de luz ou um peddy paper.

CINCO SUGESTÕES PARA PÔR NA AGENDA

The Gangster, The Cop, The Devil (dia 10, 00.00)

O cinema de género sul-coreano tem sempre uma palavra a dizer. Apresentado nas sessões da meia-noite do último Festival de Cannes, The Gangster, The Cop, The Devil, de Lee Won-Tae, como o título sugere, centra-se numa dupla composta por um gangster e um polícia para capturar um psicopata... Mesmo não tendo a envergadura das melhores produções de género deste país, a estrela corpulenta Ma Dong-Seok (também conhecido como Don Lee) garante o brilho e as cores necessárias ao esquema da ação.

Horror Noire: A History of Black Horror (dia 12, 19.10)

Adaptando o livro homónimo de Robin R. Means Coleman, eis um documentário, assinado por Xavier Burgin, que percorre a história do cinema americano pelo ângulo da representação de pessoas negras, no género do terror. Vai às origens das origens, ou seja, ao polémico O Nascimento de Uma Nação (1915), de D. W. Griffith, onde um homem negro figura como vilão ante o Ku Klux Klan, e através de entrevistas, excertos e montagens de filmes, lança um olhar abrangente, que chega até aos nossos dias, sobre esta questão estrutural e complexa.

 

Memory: The Origins of Alien (dia 14, 14.35)

Mais um documentário, desta vez no rasto do clássico de Ridley Scott. O seu realizador, Alexandre O. Philippe, foi vasculhar material inédito à volta de Alien - O 8º Passageiro, revelando fontes artísticas (a ficção literária de H.P. Lovecraft, a pintura de Francis Bacon) e a mitologia grega e egípcia subjacente, para além de dar voz à massa criativa por detrás do projeto: o argumentista Dan O'Bannon, o designer H. R. Giger e o próprio Scott. Um excelente complemento para as comemorações dos 40 anos deste título icónico.


Plan 9 From Outer Space (dia 14, 19.00)

Esta é a outra grande efeméride do MOTELX: os 60 anos da estreia da obra-prima de Ed Wood, que é como quem diz, "o pior filme de todos os tempos". Depois da apresentação, no Warm-up do festival, do divertido e terno biopic realizado por Tim Burton - Ed Wood (1994) -, com Johnny Depp e Martin Landau (no papel de Bela Lugosi, que lhe valeu o Óscar), é altura de (re)descobrir a hilariante invasão extraterrestre que ressuscita os mortos, concebida por um criador ímpar, que se tornou um nome de culto do chamado "tão mau que é bom".

Nightmare Cinema (dia 15, 19.00)

Um cinema gerido por Mickey Rourke? É essa a fantasia na base deste Nightmare Cinema. O ator de O Wrestler assume aqui o papel do projecionista de uma sala assombrada que leva cinco espectadores a confrontarem-se com os seus medos mais sombrios. Essa mão-cheia de espectadores dão origem, precisamente, a cinco contos de terror, cada um deles realizado por nomes diferentes, entre os quais encontramos os veteranos Joe Dante (Gremlins) e Mick Garris (Masters of Horror).




por Inês N. Lourenço in Diário de Notícias | 10 de setembro de 2019
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Diário de Notícias
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
43,698,250