"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Destaques

Trinta Clássicos das Letras

O Centro Nacional de Cultura não esquece os associados e amigos em merecidas férias. Este ano, viaje connosco ao longo de Trinta Clássicos das Letras, por Agostinho de Morais.

Boas Leituras!

 


  • 22 de agosto - "MEMORIAL DO CONVENTO" de JOSÉ SARAMAGO

«Memorial do Convento» de José Saramago (1922-2010) foi publicado em 1982 e constituiu um grande sucesso literário, pelo tratamento do tema, pela vivacidade e ritmo da escrita, pelo domínio da língua portuguesa.

 

É o retrato do rei D. João V e da sua magnificência, num tempo dominado pela riqueza do ouro do Brasil no reino, numa rica convergência de elementos contraditórios, bem evidenciados na complexidade das personagens escolhidas.

Se para Victor Hugo o protagonista de “Notre-Dame de Paris” foi a própria catedral, também para Saramago a personagem fundamental, em torno da qual tudo se desenvolve o romance, é o Convento de Mafra. «Era uma vez um rei que fez promessa de levantar um convento de Mafra. Era uma vez a gente que construiu esse convento. Era uma vez um soldado maneta e uma mulher que tinha poderes. Era uma vez um padre que queria voar e morreu doido»...

A riqueza do ouro, transportado em arcas, contrasta com os vários operários anónimos que contribuem para a magnífica construção. E entre eles, está Baltasar Mateus, que tem a alcunha de “Sete-Sóis” porque vive atraído pela luz, tendo perdido a mão esquerda na guerra da sucessão de Espanha. Baltazar ama Blimunda Jesus, chamada de “Sete-Luas”, porque consegue ver no escuro e por dentro das pessoas. Esta, ao ter esta capacidade, consegue recolher as vontades de cada um, como nuvens abertas ou nuvens fechadas. Os dois conhecem um clérigo visionário, o Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão, “o voador”, marcado pelo espírito científico e pela heterodoxia religiosa, que inicia a construção de um aparelho voador, a Passarola, com o objetivo de subir em direção ao Sol, em lugares a que só Cristo e os santos tinham chegado. A concretização deste sonho torna-se uma obsessão e leva-o a viajar primeiro para a Holanda, em busca do segredo, que permitiria a Passarola voar, e depois para Coimbra, onde se doutorou. É ele, aliás, quem realiza o batismo e a comunhão de Sete-Luas e Sete-Sóis: «o padre virou-se para ela, sorriu, olhou um e olhou outro, e declarou: Tu és Sete-Sóis porque vês às claras, tu serás Sete-Luas porque vês às escuras, e assim, Blimunda, que até aí só se chamava, como sua mãe, de Jesus, ficou sendo Sete-Luas, e bem batizada estava, que o batismo foi de padre, não alcunha de qualquer um». Após um dos voos da Passarola, Bartolomeu foge para Espanha, perseguido pela Inquisição, enquanto Blimunda e Baltasar tratam de esconder o aparelho entre os arbustos da serra e de fazer a sua manutenção.

Não podemos esquecer a figura do grande músico Domenico Scarlatti que, a convite do Padre Bartolomeu, participa no projeto da Passarola, como testemunha silenciosa. Então une-se a ciência e a arte, como reveladoras de um espírito de inovação, de respeito e de abertura ao progresso. Scarlatti instala secretamente o seu cravo na Quinta do Duque de Aveiro, onde toca a sua música e inspira a construção da Passarola, símbolo da modernidade e dos novos tempos das luzes. E quando Blimunda fica com a estranha doença do esgotamento na recolha das vontades, a arte do músico provoca uma cura completa. Um dia, Baltasar ficou preso à passarola, enquanto fazia a sua manutenção, e os cabos que a impediam de se elevar nos céus rebentaram, tendo sido levado pelos ares. A aeronave então despenha-se e Baltasar é capturado pela Inquisição, acusado de bruxaria. Blimunda recolhe, no epílogo do romance, a vontade de Baltasar, enquanto este morre, condenado à fogueira.

E quem é Baltazar? Um homem simples, rudimentar, resignado, terno e fiel, que ama Blimunda, a qual compensa a mão que lhe falta, mas que lhe permite compreender para além do que vê, aceitando o que a vida lhe oferece. E no final é Blimunda quem sobrevive, ela que aprendera tudo o que sabia ainda no seio de sua mãe, onde estivera de olhos abertos.

Agostinho de Morais

 


 

1 de agosto
"D. QUIXOTE DE LA MANCHA" de MIGUEL CERVANTES
2 de agosto
"GUERRA E PAZ" de TOLSTOI
3 de agosto
"A MONTANHA MÁGICA" de THOMAS MANN 
  4 de agosto
"CEM ANOS DE SOLIDÃO" de GABRIEL GARCIA MARQUEZ
5 de agosto
"ULISSES" de JAMES JOYCE
6 de agosto
"EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO" de MARCEL PROUST
7 de agosto
"DIVINA COMÉDIA" de DANTE
8 de agosto
"O PROCESSO" de FRANZ KAFKA
9 de agosto
"O SOM E A FÚRIA" de WILLIAM FAULKNER
10 de agosto
"OS IRMÃOS KARAMÁZOV" de FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
11 de agosto
"GRANDE SERTÃO - VEREDAS" de JOÃO GUIMARÃES ROSA
12 de agosto
"O LEOPARDO" de LAMPEDUSA
13 de agosto
"A ILÍADA" e "ODISSEIA" de HOMERO
14 de agosto
"PEREGRINAÇÃO" de FERNÃO MENDES PINTO
15 de agosto
"A MORTE DE VIRGÍLIO" de HERMANN BROCH 
16 de agosto
"OS LUSÍADAS" de CAMÕES
17 de agosto
"AS VIAGENS DE GULLIVER" de J. SWIFT
18 de agosto
"A CARTUXA DE PARMA" de STENDHAL
19 de agosto
"O MITO DE SÍSIFO" de ALBERT CAMUS
Agenda
Ver mais eventos
Visitas
43,000,555