"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Destaques

Trinta Clássicos das Letras

O Centro Nacional de Cultura não esquece os associados e amigos em merecidas férias. Este ano, viaje connosco ao longo de Trinta Clássicos das Letras, por Agostinho de Morais. 

Boas Leituras!

 


UMA NOTA FINAL – OS TEXTOS ANTIGOS 

Italo Calvino disse que um clássico “é um livro que ainda não acabou de dizer o que tem para dizer”. 
Ao falarmos de trinta clássicos das Letras, lembrámo-lo, e fizemos uma escolha aleatória, considerando a vida contemporânea.

Importa, porém, não esquecer as grandes obras da espiritualidade, que continuam a ser referências fundamentais das diferentes sociedades e culturas.

Escolhemos hoje três livros finais, que continuam a influenciar decisivamente a vida dos nossos dias. Sem entrar em exemplos concretos, basta regressarmos a diversos dos livros escolhidos, para rapidamente encontrarmos alusões, referências e símbolos, incompreensíveis sem recorrermos aos textos que hoje recordamos.

Lembrando-nos da origem indo-europeia das nossas culturas, começamos por “Bhagavad Gita”, a “canção do bem-aventurado”, escrito em sânscrito (língua donde provêm quase todas as línguas europeias). É um texto religioso hindu. Faz parte do épico Mahabharata, embora seja de composição mais recente que o restante livro. A versão que chegou aos nossos dias data do século IV a.C.. Relata o diálogo de Krishna, suprema personalidade divina, com Seu discípulo guerreiro, em pleno campo de batalha. O tema é da iluminação diretamente de Krishna e da ciência da autorrealização. No desenrolar da conversa são colocados pontos importantes do bramanismo. A obra é uma das principais escrituras sagradas da cultura da Índia, designadamente na religião Vaishnava, com ramificações de fé em Vishnu ou Krishna. Deus está para o mundo como o artista para o seu trabalho. Deus será o Criador (Brahma), o Conservador (Vishnu) e o Destruidor (Shiva), que, no fim devolve todas as formas finitas à natureza primordial donde emergira. O “Bhagavad Gita” contém a essência do conhecimento védico da Índia e é considerado um dos grandes clássicos espiritualistas da humanidade.

Já a “Bíblia” é composta do Antigo e do Novo Testamento, tendo o “Antigo Testamento” sido escrito entre 1500 a. C e 450 a. C., e o “Novo Testamento” entre 45 e 90 da nossa era, em cerca de 1600 anos. Estamos perante uma verdadeira biblioteca, de muitos autores e de diversas circunstâncias. Enquanto uma certa tradição coloca no tempo de Moisés a autoria dos primeiros cinco livros da Bíblia (Pentateuco), muitos estudiosos consideram que foram compilados apenas depois do exílio babilónico (século IV a. C.), a partir de outros textos datados entre os séculos décimo e o quarto antes de Cristo. O “Pentateuco” (cinco rolos) é designado pelos judeus como “Torá”, palavra hebraica que significa instrução ou Lei, tendo Moisés sido o seu principal autor. É o ensinamento judeu através da história – “e viver segundo a Lei é viver no tempo a vida da eternidade”. O “Novo Testamento” apresenta a história de Jesus Cristo, Filho de Deus, e a pregação dos seus ensinamentos durante a Sua vida e após a morte e Ressurreição, em Quatro Evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João), a partir da ideia de “Boa Nova”, os “Atos dos Apóstolos”, as Cartas dos Apóstolos, em especial de Paulo e o “Apocalipse de S. João”.

Alcorão é o livro sagrado do Islão. Os muçulmanos consideram que se trata da palavra literal Deus (Alah) revelada ao profeta Muhammad (Maomé), ao longo de um período de vinte e três anos. 92 capítulos foram revelados em Meca, e 22 em Medina. Está assim organizado em 114 capítulos, denominados suras, divididas em livros, seções, partes e versículos. A palavra Alcorão deriva do verbo árabe que significa declamar ou recitar. Os capítulos estão dispostos de acordo com a sua extensão e não de acordo com a ordem cronológica da revelação. Cada sura pode por sua vez ser subdividida em versículos. O número de versículos é de cerca de 6600. A sura maior é a segunda, com 286 versículos e as suras menores possuem apenas três versículos. Os capítulos são tradicionalmente identificados pelos nomes e não pelos números – A Vaca, A Abelha, O Figo ou A Aurora, por exemplo.

Os clássicos dos clássicos são, afinal, os que sempre têm algo para dizer.

 

Agostinho de Morais

 

 

1 de agosto
"D. QUIXOTE DE LA MANCHA" de MIGUEL CERVANTES
2 de agosto
"GUERRA E PAZ" de TOLSTOI
3 de agosto
"A MONTANHA MÁGICA" de THOMAS MANN 
  4 de agosto
"CEM ANOS DE SOLIDÃO" de GABRIEL GARCIA MARQUEZ
5 de agosto
"ULISSES" de JAMES JOYCE
6 de agosto
"EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO" de MARCEL PROUST
7 de agosto
"DIVINA COMÉDIA" de DANTE
8 de agosto
"O PROCESSO" de FRANZ KAFKA
9 de agosto
"O SOM E A FÚRIA" de WILLIAM FAULKNER
10 de agosto
"OS IRMÃOS KARAMÁZOV" de FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
11 de agosto
"GRANDE SERTÃO - VEREDAS" de JOÃO GUIMARÃES ROSA
12 de agosto
"O LEOPARDO" de LAMPEDUSA
13 de agosto
"A ILÍADA" e "ODISSEIA" de HOMERO
14 de agosto
"PEREGRINAÇÃO" de FERNÃO MENDES PINTO
15 de agosto
"A MORTE DE VIRGÍLIO" de HERMANN BROCH 
16 de agosto
"OS LUSÍADAS" de CAMÕES
17 de agosto
"AS VIAGENS DE GULLIVER" de J. SWIFT
18 de agosto
"A CARTUXA DE PARMA" de STENDHAL
19 de agosto
"O MITO DE SÍSIFO" de ALBERT CAMUS
Agenda
Ver mais eventos
Visitas
45,578,675