"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Festival das Artes: Coimbra à luz de duas estreias mundiais

O festival que ambiciona tornar-se numa referência nacional abre com Ensemble Mediterrain, conta com duas estreias mundiais e a passagem de Salvador Sobral.

Ensemble Mediterrain inauguram a 11.ª edição do Festival das Artes de Coimbra/ Cortesia Festival das Artes


De 19 a 28 de julho, o Festival das Artes, co-organizado pela Fundação Inês de Castro e a Câmara Municipal de Coimbra, visa promover a cidade e a Região Centro de Portugal e tem lugar em diversos locais, incluindo o anfiteatro ao ar livre Colina de Camões e os Jardins da Quinta das Lágrimas.

Cabe ao grupo de música de câmara Ensemble Mediterrain inaugurar a 11.ª edição do festival, que decorre sob o tema “Luz e Sombra”. A Coimbra, os Ensemble Mediterrain trazem Poèmes d’Amour, peça original do pianista romântico Isaac Albéniz que terá a sua estreia mundial em língua portuguesa com interpretação da soprano Susana Gaspar e direção musical de Bruno Borralhinho. O grupo de música de câmara interpreta ainda a Quarta Sinfonia de Mahler. Ambas as peças, a serem representadas a partir das 21h30 no convento de São Francisco, falam de um caminho de ascensão pela escuridão até à luz do paraíso.

A 21 de fulho, a Camerata Atlântica dará o concerto “Na Sombra da Cruz”. Destaca-se, entre as composições dos italianos Albinoni e Pergolesi, a estreia mundial do Concertino de Outono para oboé e cordas Luz e Sombra, de Sérgio Azevedo, professor na Escola Superior de Música de Lisboa, sob a direção de Ana Beatriz Manzanilha, violinista venezuelana e diretora artística deste grupo musical.

A Macao Youth Symphony Orchestra, composta unicamente por estudantes macaenses do ensino primário ao universitário, será recebida no anfiteatro Colina de Camões a 24 de julho. O concerto, intitulado “A luz do Oriente”, trará o Nocturno, do compositor português António Fragoso, composições do pai da música moderna de Hong Kong, Doming Lam, o concerto para violino Butterfly Lovers, dos compositores chineses Chen Chang e He Zhanhao, e a suite de Igor Stravinsky O Pássaro de Fogo.

Dia 25 os Alma Nuestra, a banda de Salvador Sobral e Victor Zamora, fundem os sons da América Latina com jazz no anfiteatro Colina de Camões, numa parceria entre o Festival das Artes e o Quebrajazz.

Não exclusivo à música, o Festival das Artes conta ainda com conferências, exposições, eventos gastronómicos e outras atividades.


in Público | 15 de julho de 2019
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Público

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
45,579,431