"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Património

Palácio de Mafra e Bom Jesus de Braga já são Património Mundial

Ambas as candidaturas suscitaram dúvidas no comité responsável pela decisão, mas a decisão acabou por ser positiva. Portugal conta agora com 17 locais classificados em território nacional, além dos 11 que constituem património mundial de origem portuguesa no mundo.

© Carlos Manuel Martins/Global Imagens Bom Jesus de Braga. Foto: DR

Já são 17 os locais portugueses que integram a lista da UNESCO. O Palácio de Mafra e o Santuário do Bom Jesus em Braga foram este domingo classificados como Património Mundial. Os monumentos integraram "as 36 indicações para inscrição na Lista do Património Mundial", que estão a ser avaliadas na 43.ª Sessão do Comité do Património, Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), a decorrer em Baku, no Azerbaijão, até 10 de julho
.

O conjunto composto pelo Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco e Tapada de Mafra suscitou uma pequena discussão dentro do Comité, com o Conselho Internacional de Monumentos e dos Sítios (ICOMOS) a levantar algumas dúvidas face a esta candidatura. "Tivemos muitas discussões sobre este sítio porque o elemento crucial deste conjunto, mas achamos que a Tapada não está suficientemente documentada. Sem haver mais informações, não faz sentido recomendar este lugar como Património Cultural Mundial", disse a representante do ICOMOS. Mas a decisão acabaria por ser positiva.

O monumento foi aprovado com apoio do Brasil, da Tunísia e da China, tal como outros Estados que fazem parte deste comité como Angola ou Indonésia, embora tenham apoiado as recomendações para a conservação e um estudo cartográfico deste complexo monumental. "Mafra reúne todas as condições para ser reconhecido. Desejamos inscrever um edifício de valor extraordinário que tem também um jardim e uma tapada e não o inverso, como indica o ICOMOS", disse a representação de Portugal, ao defender esta candidatura.

Contudo, o presidente da Câmara de Mafra disse que a classificação do Palácio de Mafra "peca por tardia". "É um dia histórico para Mafra e para Portugal, porque esta candidatura preparada há dez anos foi agora aprovada e só peca por tardia, porque já devia ter sido classificada há muito tempo", disse Hélder Sousa Silva.

Para o autarca, a inscrição de Mafra na lista do Património Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) "não é um ponto de chegada, mas um ponto de partida e traz responsabilidades acrescidas para a manutenção [do monumento] a curto prazo". "Espero que haja uma Mafra antes da classificação e uma Mafra depois da classificação, virada para a recuperação do património", enfatizou.

Mafra partilhou os festejos com Braga, com o Santuário do Bom Jesus também a sair classificado. À semelhança do que aconteceu com o Palácio de Mafra, também esta candidatura suscitou algumas questões ao ICOMOS, mas a proposta acabou por ser aprovada.

O Brasil, que abriu a discussão e faz parte deste comité, defendeu que o Bom Jesus de Braga não só cumpre todos os critérios para ser integrado na lista de monumentos, mas serviu também de inspiração para o complexo do Bom Jesus de Congonhas, no Brasil, que já consta da lista da UNESCO.

Portugal esclareceu que todas as dúvidas sobre o monumento bracarense já estavam esclarecidas no dossier entregue por Portugal e que as recomendações do ICOMOS já estão mesmo a ser seguidas no santuário. A representação portuguesa afirmou ainda que o monumento também já está inscrito como património nacional.

Também o autarca de Braga se pronunciou, salientando que com a distinção vem "também uma grande responsabilidade e orgulho". "Isto é um momento de felicidade, de orgulho para a cidade e para toda a equipa que trabalhou para que esta classificação fosse possível, mas também coloca sobre a cidade uma grande responsabilidade que é a de tudo fazer para que o local continue à altura desta distinção", afirmou Ricardo Rio.

"Mais um motivo de orgulho"

O Presidente da República considera que inscrição do Palácio Nacional de Mafra e do Santuário do Bom Jesus em Braga na lista do Património Mundial é motivo de "grande regozijo para todos os portugueses". Numa nota publicada na página da Presidência, Marcelo Rebelo de Sousa congratula-se assim com as decisões da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), referindo que "é um motivo de grande regozijo para o Presidente da Republica e para todos os portugueses".

"Saúdo vivamente os promotores destas candidaturas, os autarcas, os diplomatas, as autoridades civis e eclesiásticas, e todos aqueles que, também na sociedade civil, ajudam a levar mais longe o património português físico, histórico, artístico, religioso ou intelectual", lê-se no documento.

Também o primeiro-ministro António Costa não deixou passar a data em branco. "Mais um motivo de orgulho para Portugal. Parabéns a todos os que contribuíram para tal reconhecimento", escreveu na sua página do Twitter.

A ministra da Cultura sublinhou ainda "a importância destas distinções, que reconhecem a diversidade de dois magníficos monumentos portugueses, testemunhos vivos da nossa história, património e cultura". "Parabéns a todos os que trabalharam para esta distinção, parabéns a Portugal!", lê-se na também na sua página do Twitter.

Das ilhas a Belém, já lá vão 17

Portugal conta já com 17 locais classificados em território nacional, havendo ainda 11 que constituem património mundial de origem portuguesa no mundo.

O Centro Histórico de Angra do Heroísmo, o conjunto do Mosteiro dos Jerónimos e a Torre de Belém (em Lisboa), bem como o Mosteiro da Batalha e o Convento de Cristo (em Tomar), foram os primeiros classificados, em 1983.

A estes juntaram-se a Região Vinhateira do Alto Douro, a zona central da cidade de Angra do Heroísmo (nos Açores), a Paisagem Cultural de Sintra, a Cidade-Quartel Fronteiriça de Elvas e as suas Fortificações, o Centro Histórico de Évora, o Centro Histórico de Guimarães, o conjunto do Centro Histórico do Porto, Ponte Luís I e Mosteiro da Serra do Pilar, a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, a Laurissilva da Madeira, o Mosteiro de Alcobaça, os locais de Arte Rupestre do Vale do Côa, bem como a antiga Universidade de Coimbra - Alta e Sofia.

A lista do Património Mundial da Humanidade integra atualmente 1092 sítios em 167 países.

Alguns deles de origem portuguesa. São eles o Centro Histórico de Macau, as Igrejas e Conventos de Goa, a Ilha de Moçambique, a cidade portuguesa de Mazagão (El Jadida), a Cidade Velha (em Cabo Verde), o Centro Histórico de Olinda (em Pernambuco, no Brasil), o Centro Histórico de S. Salvador (Baía, no Brasil), o Centro Histórico de Goiás (Brasil), o Centro Histórico de Diamantina (Minas Gerais, Brasil), o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos (Minas Gerais, no Brasil) e ainda o Centro Histórico de Ouro Preto (Minas Gerais, Brasil).


por Lusa e Diário de Notícias | 7 de julho de 2019
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Diário de Notícias

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
42,236,469