"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Obras de referência da cultura portuguesa

"FLORES DE MUSICA PERA O INSTRUMENTO DE TECLA & HARPA"

de PADRE MANUEL RODRIGUES COELHO
Análise de Filipe Mesquita de Oliveira
Tradução: Alexandra Leitão


A obra intitulada Flores de Musica pera o Instrumento de Tecla & Harpa do Padre Manuel Rodrigues Coelho, impressa pela primeira vez em Lisboa no ano de 1620, constitui ma das coleções mais belas e interessantes de música sacra e profana para órgão, cravo, virginal, clavicórdio ou harpa, produzida na Península Ibérica durante as primeiras décadas do séc. XVII. Surgindo como uma espécie bastante rara no conjunto não muito abundante de música instrumental portuguesa conservada daquela época, as Flores de Musica revelam alguns traços que merecem menção especial, concorrendo simultaneamente para o seu destaque no âmbito da História da Música em Portugal. Em primeiro lugar, a qualidade artística e estética das composições desta coleção, nada deixando a dever à produção de tecla da mesma altura que ia surgindo nos outros  países europeus. Nesse sentido, Rodrigues Coelho prolongou a tradição organística lusitana e portanto também ibérica, logrando uma síntese que ajudou a estreitar as relações entre a escola portuguesa de órgão e as suas congéneres estrangeiras, principalmente as escolas anglo-neerlandesa, napolitana e veneziana. Foi também através dos tentos contidos nas Flores de Musica que elementos característicos da música de tecla anglo-neerlandesa contribuíram para o enriquecimento da técnica instrumental espanhola. Por último, importa referir a repercussão da obra de Rodrigues Coelho na música de órgão portuguesa, comprovada nos códices manuscritos de música de órgão seiscentista, conservados nas bibliotecas do Porto e de Braga.    

Nascido em Elvas por volta de 1555, este compositor e organista viria a iniciar os seus estudos musicais na Sé dessa vila raiana cerca de 1563. Mais tarde, entre 1573 e 1577 tornar-se-ia organista interino da Catedral de Badajoz, regressando posteriormente a Elvas, como organista da Sé, entre a década de 80 do séc. XVI e 1602. É nesses inícios de seiscentos que chega a Lisboa para aí se tornar organista da Sé (1602-3) e depois da Capela Real (1604-33). Em 1617 é terminada a redação das Flores de Musica e concedidas as licenças para poder mandar imprimi-las, com parecer de Frei Manuel Cardoso, impressão essa que ocorre em 1620. Aposentado em 1633, Manuel Rodrigues Coelho viria a falecer em Lisboa por volta de 1635.  

O Segundo Tento do segundo tom por b mol é um dos exemplos mais conseguidos da arte de Coelho, sobretudo graças à derivação progressiva de episódios de elaboração motívica num estilo fluente e dinâmico sem passagens virtuosísticas. Os seus dois temas iniciais irão dar origem, no decurso da peça, a figurações de contraponto formadas por escalas e repetições de notas que se alargam por todo o tento. O modo abreviado dessas figurações, que ocorre em todas as vozes,  assemelha-se bastante ao estilo de Sweelinck, figura maior da arte cravística neerlandesa da transição do séc. XVI  para o XVII. A destreza de Rodrigues Coelho revela-se também ao nível da fusão, diríamos, quase orgânica de todas estas figurações musicais,  não existindo com isso cortes ou quebras abruptas no discurso. Em suma o Segundo Tento do segundo tom por b mol é uma peça imitativa, muito concentrada, numa forma híbrida entre a fantasia e o ricercar, sendo sem dúvida, um dos trabalhos mais inventivos do seu autor.            

Gravações disponíveis (excertos de Flores de Musica):
- The Organ of Évora Cathedral – The Iberian Organ, vol.2; Bernard Brauchli – orgão; Massachussets: Titanic Records, 1986
- Flores de música; Rui Paiva - órgão, Mário Marques – contratenor, Schola Cantorum Lusitana; Lisboa: Portugalsom, 1991
- Órgãos históricos de Portugal/Portugaliae Monumenta Orgânica; Rui Paiva e João Vaz – órgãos; Alemanha: Polygram, 1992
- Música portuguesa para tecla – séculos XVI-XVII; Ana Mafalda Castro – cravo; Lisboa: EMI Classics, 1998
- Joaquim Simões da Hora – In memoriam (S.Vicente de Fora, 18.XII.1994); Joaquim Simões da Hora – orgão; Lisboa: Portugaler, 2002 
- Organa vocis: órgãos históricos – Igreja Matriz de Machico e Igreja Paroquial de Porto da Cruz; Rui Paiva – órgão; Lisboa: Capella, 2005
- Música portuguesa para teclado dos séculos XVI e XVII; Bernard Brauchli – clavicórdio; Lisboa: Dargil, 2000



"FLORES DE MUSICA PERA O INSTRUMENTO DE TECLA & HARPA" 
by PADRE MANUEL RODRIGUES COELHO

The work entitled Flores de Musica pera o Instrumento de Tecla & Harpa by Father Manuel Rodrigues Coelho was first printed in Lisbon in 1620. It is one of the most beautiful and most interesting collections of sacred and profane music for organ, harpsichord, virginal, clavichord or harp produced in the Iberian Peninsula during the first decades of the 17th century. Emerging as quite a rare species in the not very prolific collection of Portuguese instrumental music which has survived that era, Flores de Musica reveals certain traces that merit special mention, as they also contribute to its distinctive position in the history of music in Portugal. In the first place, the artistic and aesthetic quality of the compositions in that collection should be mentioned as they are on a par with similar keyboard music produced in other European countries. In this regard Rodrigues Coelho prolonged the Portuguese and therefore the Iberian organ tradition, achieving a synthesis that helped relations between the Portuguese organ school and its foreign counters, in particular the Anglo-Dutch, Neapolitan and Venetian schools. It was also through the tentos in Flores de Musica that characteristic elements of Anglo-Dutch keyboard music contributed to enrich Spanish instrumental techniques. Lastly, it is important to note the repercussion of Rodrigues Coelho’s work on Portuguese organ music, as shown in the codices of 17th century organ music in the libraries of Oporto and Braga.    

Born in Elvas around 1555, this composer and organist began his musical studies at the cathedral of this border town in about 1563. Later, between 1573 and 1577, he became temporary organist at the Cathedral of Badajoz, returning to Elvas to become cathedral organist between the 1580s and 1602. In the early 17th century he went to Lisbon to take up the position of organist at the Cathedral (1602-3) and later at the Royal Chapel (1604-33). In 1617 Flores de Musica was transcribed and the licences granted for its publication, with an opinion by Friar Manuel Cardoso. The printing took place in 1620. Manuel Rodrigues Coelho retired in 1633 and died in Lisbon in around 1635.  

The Segundo Tento do segundo tom por b mol is one of the most satisfying examples of Coelho’s art, mainly due to the progressive derivation of episodes of motif-like elaboration in a fluent, dynamic style without virtuosic passages. Its two initial themes give rise to counterpoint figurations formed by scales and repeated notes that extend throughout the tento. The abbreviated form of these figurations, occurring in almost all the voices, is similar to the style of Sweelinck, a major figure in Dutch harpsichord music in the transition from the 16th to the 17th century. Rodrigues Coelho’s skill can also be seen in the almost organic fusion of all these musical figurations, with no sudden cuts or breaks in the discourse. In short, the Segundo Tento do segundo tom por b mol is imitative, very concentrated, and a hybrid between fantasia and ricercar, undoubtedly one of the author’s most inventive works.            

Available recordings (excerpts from Flores de Musica):
- The Organ of Évora Cathedral – The Iberian Organ, vol.2; Bernard Brauchli – organ; Massachusetts: Titanic Records, 1986
- Flores de música; Rui Paiva - organ, Mário Marques – counter-tenor, Schola Cantorum Lusitana; Lisbon: Portugalsom, 1991
- Órgãos históricos de Portugal/Portugaliae Monumenta Orgânica; Rui Paiva and João Vaz – organs: Germany: Polygram, 1992
- Música portuguesa para tecla – séculos XVI-XVII; Ana Mafalda Castro – harpsichord; Lisbon: EMI Classics, 1998
- Joaquim Simões da Hora – In memoriam (S. Vicente de Fora, 18.XII.1994); Joaquim Simões da Hora – organ; Lisbon: Portugaler, 2002
- Organa vocis: órgãos históricos – Igreja Matriz de Machico e Igreja Paroquial de Porto da Cruz; Rui Paiva – organ: Lisbon: Capella, 2005
- Música portuguesa para teclado dos séculos XVI e XVII; Bernard Brauchli – clavichord; Lisbon: Dargil, 2005


 

Obras de Referência da Cultura Portuguesa
contam com o apoio do

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
39,969,789