"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Teatros

Centro Cultural Vila Flor

País: Portugal
Distrito: Braga
Concelho: Guimarães

Tipo de Património
Teatros
Uso atual
Sala de espetáculos
Proprietário/Instituições responsáveis
Câmara Municipal de Guimarães
Descrição


O Património dos edifícios de teatro e espetáculo em Guimarães

A tradição histórica e urbana concilia-se com a modernidade, desde que se harmonizem épocas e estilos arquitetónicos, dentro da malha urbana respetiva, e desde que se respeite a coexistência de estilos e funcionalidades. O que em rigor não é fácil e não é muito habitual. Mas quando ocorre valoriza a estética e a funcionalidade, desde que, repetimos, se atinja um ponto de equilíbrio estético e estilístico. Não faltam bons e maus exemplos.

E um desses exemplos, relacionado com a edificação/recuperação/reconstrução do património ligado à cultura e ao espetáculo, temo-lo em Guimarães com a harmonização arquitetónica e urbanística do palácio de Vila Flor e do centro cultural homónimo e próximo, marcando ambos  a continuidade histórica e urbanística da cidade: o Palácio vem do século XVII, o Centro Cultural foi inaugurado em 2005.

Vejamos o “histórico” de um e outro.

O palácio de Vila flor foi construído por iniciativa de D. Tadeu Luis Lopes da Fonseca, nascido em 1653, e que lá viria a falecer em 1759. Membro da Real Academia da História com a designação académica de Tagomelo Corinteo, fundou a chamada Academia Vimaranense, que muito evocaria em poemas hoje pouco relevantes.

Veja-se um exemplo:

“Pego na pena e vou poetizando/Del Rey o nome mais se imortaliza/Em Guimarães onde o soleniza/ Sua Alteza em ações tão notórias/ Que excedem o volume das histórias/ Será o real nome em culto fiel/ Mias imortal que a Torre de Babel”.

O poema é citado por Maria Adelaide Pereira de Morais que historiou o Palácio e a família, a qual lá se mantém até pelo menos 1829. Nessa data, o Palácio é vendido a um emigrante retornado do Brasil, de seu nome Lourenço de Arrochela Malheiro. A família é nobilitada em 1852, na pessoa de um magistrado de seu nome Nicolau Vieira de Almeida de Morais Pimentel, que naquele ano recebeu no palácio a rainha D. Maria II e o seu marido D. Fernando.  (cfr. Maria Adelaide Pereira de Morais “História do Palácio de Vila Flor e Cavalinho” in “Boletim de Trabalhos Históricos”- 2005).

Em 1881 o Palácio é adquirido por um Engenheiro, diríamos hoje, de seu nome António Soares Veloso. E é notável a opção: em 1884, é instalada em terrenos adjacente do palácio a estação de caminhos de ferro. E mais: no Palácio organiza-se uma Exposição industrial, o que é de facto notável para a época…

Até que em 1908 o palácio é adquirido por Bernardino Jordão. E a família Jordão surge mais tarde ligada à fundação de um dos primeiros Cine Teatros, precisamente denominado Cine Teatro Jordão, que há bem pouco tempo se mantinha em atividade. Alfredo Pimenta não poupa elogios a este vimaranense que muito fez pelo desenvolvimento da cidade. (in “Páginas Minhotas – Aquela Casa à Beira da Estrada”).

Mas importa agora referir o Centro Cultural de Vila Flor, este marcante na modernidade da sua traça: e moderna que seja e é, não colide com a tradição histórico-urbanística da cidade. Inaugurado em 2005 segundo projeto arquitetónico de Manuel Vilhena Roque e Seara de Sá, o edifício, de grande modernidade estilística, comporta três corpos que albergam dois auditórios de 800 e 2000 lugares.

Citamos, para terminar, a memória descritiva deste projeto, onde se esclarece que da “relação entre o jardim e a cidade decorreu a necessidade de fracionar os volumes e construções, estabelecendo também uma matriz organizacional onde o teatro fosse local de passagem e de permanência”.

Pois, como já escrevi em “Teatros de Portugal – Espaços e Arquitetura” (ed. CNC e Mediatexto) “o teatro não será tanto o conjunto das salas em si, mas sobretudo a valência cultural  e social no âmago da malha urbana”.

E nesse aspeto, como em tantos mais, Guimarães é exemplar!... 

Duarte Ivo Cruz

Modo de funcionamento
Segunda-feira
10h00-13h00 | 14h00-19h00
Local Serviços Administrativos
Terça a Sábado
10h00-13h00 | 14h00-19h00
Local Palácio Vila Flor
Em dias de espetáculo
Duas horas antes até 30 minutos após o seu início
Local Bilheteira Central
Morada
Avenida D. Afonso Henriques, 701
4810-431 Guimarães
Telefone
253 424700
Fax
253 424710
E-mail
Fonte de informação
Duarte Ivo Cruz
Data de atualização
13/10/2017
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Antestreia do filme A PARTIR DE UMA HISTÓRIA VERDADEIRA

Baseado no romance de Delphine de Vigan este filme foi a aposta do Festival de Cannes para ser o filme de encerramento da seleção oficial, extracompetição. Em parceria com a PRIS Audiovisuais, oferecemos convites para a antestreia em Gaia e Lisboa, dia 20 de dezembro. Habilite-se a ser um dos felizes contemplados!

Passatempo

Ganhe convites para o musical POCAHONTAS

Em parceria com a Yellow Star Company, oferecemos convites duplos para esta peça de teatro musical que está em cena até 30 de dezembro, nos cinemas UCI do El Corte Inglés, em Lisboa. Participe e... boa sorte!  

Visitas
32,422,625