"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Centro Histórico

Vila de Sintra, um verdadeiro Tesouro Histórico

País: Portugal
Distrito: Lisboa
Concelho: Sintra

Tipo de Património
Centro Histórico
Classificação
UNESCO - Património da Humanidade
Proteção Jurídica
Sintra foi classificada Património Mundial, no âmbito da categoria 'Paisagem Cultural', no dia 6 de dezembro de 1995, durante a 19.ª Sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO realizada em Berlim.
Descrição


O micro clima da Serra de Sintra, a proximidade do mar e do estuário do Tejo, e a fertilidade das terras em redor, favoreceram a presença humana nesta região desde épocas muito recuadas. São disso testemunho os povoados neolíticos de S. Pedro de Penaferrim e da Rua das Padarias, o povoado calcolítico de Penha Verde, a tholos da Bela Vista e o povoado da Idade do Bronze do Castelo dos Mouros.

Mais tarde, os romanos da tribo Galéria estabeleceram aqui villae; numerosos vestígios foram encontrados na área compreendida entre Sintra e Mafra, principalmente pedras epigrafadas (cipos e aras) que se podem observar no Museu Arqueológico de Odrinhas e que constituem uma das mais ricas coleções do país, no seu género.

Na Vila de Sintra detetaram-se vestígios que apontam para a presença de um povoado ocupado desde o séc. II-I a.C. ao séc. V d.C..

O período muçulmano está bem documentado, sendo vulgares ainda hoje, os topónimos de origem árabe em Sintra e no seu termo, que nos recordam a influência que teve aqui aquela cultura.

Existem referências de autores árabes, como a do geógrafo Al-Bacr (séc. X), que mencionam a povoação dependente de Lisboa no Andaluz, e próxima do mar; outras definem-na como o núcleo populacional mais importante desta região, logo a seguir a Lisboa. São também referidos os seus excelentes pomares que produziam frutos de assinalável tamanho.

Dois castelos existiam em Sintra neste período: um, que ainda subsiste, conhecido por Castelo dos Mouros (ou de Sintra) aproveitou um dos pontos altos e estratégicos da Serra; o outro, no sopé, sobre o provável povoado proto-histórico romanizado, onde se localizaria a vila e alcáçova muçulmana, foi bastante transformado ao longo dos tempos, dando origem ao Paço da Vila.

O primeiro, é uma construção provavelmente do séc. IX, destinado a servir de atalaia e defesa de uma região que foi disputada até ao séc. XII por mouros e cristãos. No seu interior encontram-se silos árabes escavados na rocha.
Recorde-se que o castelo dominava férteis várzeas agrícolas onde trabalhavam os habitantes do campo - çahroi -, palavra que derivou em "saloio" e que ainda hoje serve para designar as populações rurais dos arredores de Lisboa que tradicionalmente cuidam das hortas e pomares.
Pouco tempo depois da conquista de Lisboa (1147), com a ajuda dos cruzados o castelo de Sintra rende-se ao primeiro rei português D. Afonso Henriques. Uma pequena ermida românica foi edificada por ordem deste monarca no perímetro das muralhas, a fim de assinalar a tomada do castelo. Muito cedo ficou em estado de ruína, em parte devido à construção no séc. XVI, da nova matriz de S. Pedro na base da Serra e mais próxima do núcleo populacional.

Com o objetivo de incentivar o povoamento do aglomerado, em 9 de Janeiro de 1154 foi outorgada Carta de Foral à Vila de Sintra, cujos privilégios seriam confirmados por D. Sancho I em 1189. O concelho viria a ter quatro freguesias, respetivamente: S. Pedro de Penaferrim, cuja matriz ficava junto do castelo; S. Martinho, com a matriz no centro da Vila; e posteriormente, Santa Maria e S. Miguel, com sedes paroquiais no Arrabalde. Após a Reconquista coabitavam no município, judeus, mouros e cristãos. Sabe-se que existiu uma Judiaria, e que um importante núcleo de mouros libertos se havia fixado em Colares, pelo menos até ao reinado de D. Dinis.


A Vila foi por diversas vezes propriedade de rainhas, mas esta situação deixou de se verificar a partir da dinastia de Avis. D. João I (1385-1433) realizou importantes remodelações no Paço de Sintra, transformando-o numa construção gótico-mourisca onde se destacam duas imponentes chaminés cónicas.

As experiências arquitetónicas complementares feitas neste Paço Real de raiz árabe, espelham uma nova realidade - a de um monarca que é o senhor de Ceuta após a tomada da praça marroquina em 1415, cuja data marca o início da expansão portuguesa e da formação do império.

Foi também no Paço que nasceu e morreu D. Afonso V (1433-1481) monarca que conquistou diversas praças do Norte de África, e que foi aclamado rei D. João II (1481-1495) cuja visão política e estratégia permitiram o desenvolvimento das Descobertas.

A Vila e o seu termo sofrem um novo impulso com D. Manuel I (1495-1521). O Paço teve obras e constituiu até finais de seiscentos, um dos principais lugares de residência de reis e Corte. Sintra durante esta época torna-se um centro visitado por artistas e humanistas que espelham uma vida palaciana culta. O Paço de Sintra está também ligado à queda do império; foi aqui que D. Sebastião decidiu empreender o combate aos mouros em Alcácer Quibir (1580), fatídica empresa da qual este rei não regressaria, deixando vago o trono português e que teve como consequência a perda da independência face à Espanha.

Depois da Restauração da Independência em 1640, Sintra deixa de ser o núcleo onde era habitual a estadia do rei, passando a ser no período barroco, o Palácio de Mafra, e mais tarde o Palácio de Queluz, ambos relativamente próximos de Sintra.

Outros factos da História de Portugal desenrolaram-se no Paço - o desditoso rei D. Afonso VI foi deposto e passou ali os restos dos seus dias encarcerado.

Com o terramoto de 1755, grande parte da Vila Velha necessitou ser reconstruída, tendo sido feitas no antigo traçado urbano várias alterações.

Nos finais do séc. XVIII e o séc. XIX, viajantes, escritores, aristocratas e burgueses instalam-se em Sintra e desenvolvem nela um ambiente romântico pejado de exóticos jardins, palácios e chalets, que fazem do lugar um sítio único e referencial.

No séc. XIX, os diversos planos de desenvolvimento agrícola e a criação de eixos viários - estrada para Cascais e caminho-de-ferro para Lisboa -, originam uma significativa expansão urbana na Vila. O Bairro da Estefânia, construído já neste século é um dos núcleos principais que adquire importância após a inauguração da linha férrea. Entre este bairro e a Vila Velha foi construída, no início do séc. XX, a Câmara Municipal. Esta área apesar de constituir um centro cívico e administrativo, contudo não fez desaparecer como espaço social o antigo largo do Paço. Atualmente são três os principais núcleos habitacionais- a Vila Velha, a Estefânia e S. Pedro.


Fonte de informação
CNC / Patrimatic
Data de atualização
24/05/2017
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites para o concerto de Jozef Van Wissem

Em parceria com Auditório de Espinho, temos convites duplos para assistir ao concerto de Jozef Van Wissem, no próximo sábado (27 de maio) às 21h30. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos felizes contemplados.

Passatempo

Ganhe 1 bilhete duplo para o concerto do Momo!

Momo anuncia dois concertos de lançamento de “Voá” em Lisboa e Porto, dias 27 de maio no Maus Hábitos, no Porto, e dia 2 de junho na Casa Independente em Lisboa.Em parceria com a Universal Music, temos convites duplos para oferecer! Passatempo encerrado. Anunciamos aqui os nomes dos vencedores.

Visitas
31,082,520