"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Teatro

Libertação, uma reflexão sobre o colonialismo português

Libertação aborda a questão mais traumática da história recente portuguesa, a Guerra do Ultramar ou Colonial, como ficou conhecida em Portugal, ou as Guerras de Libertação ou de Independência, como ficou para a história em Angola, Guiné-Bissau e Moçambique.

12 Out a15 Out

Teatro Maria Matos
Av. Frei Miguel Contreiras 52, 1700-213 Lisboa


Este espetáculo foca o lado dos nacionalistas africanos que lutavam pela sua libertação, descrevendo e analisando o movimento das independências em África, para melhor entender o caso do Colonialismo Português no contexto mundial. É também analisado o impacto que estas guerras tiveram em Portugal, e a sua contribuição para a queda do fascismo. Libertação é uma peça construída a partir de entrevistas feitas a pessoas que lutaram contra o colonialismo português, completadas com uma pesquisa de arquivo sobre as guerras de libertação e uma análise sobre os discursos políticos produzidos por ambos os lados da guerra.

Horário:
quinta e sexta (escolas) → 15h30
quinta a sábado → 21h30
domingo → 18h30

sexta → 13 outubro
conversa sobre Libertação

conversa após o espetáculo a propósito dos movimentos de libertação africanos, com André Amálio (Hotel Europa), Miguel Cardina (Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra) e Beatriz Dias (Djass, Associação de Afrodescentes)

sala principal com bancada • 6€ a 12€ • M/12 • duração: 1h45

menores de 30 anos: 5€ • menores de 18 anos: 3€ 

criação: André Amálio
cocriação e movimento: Tereza Havlí?ková
com: André Amálio, Lucilia Raimundo, Nelson Makossa
sonoplastia/DJ: Nelson Makossa
desenho de luz: Joaquim Madaíl
cenografia e figurinos: Maria João Castelo
produção: Hotel Europa      

BIOGRAFIA

Hotel Europa foi cofundado por André Amálio (Portugal) e Tereza Havlí?ková (República Checa), depois de se terem conhecido no MA in Performance Making na Goldsmiths University, Londres. A companhia desenvolve criações onde explora as fronteiras entre dança, performance e teatro, num processo colaborativo. O seu trabalho baseia-se em material autobiográfico, verbatim, histórias de família e histórias nacionais, mitologia e contos populares. Cria uma complexa rede de referências, quer populares quer eruditas, que permite ao público viajar entre culturas, idades e géneros para criar o seu próprio entendimento da narrativa. O repertório da companhia inclui: Hotel Europa (2010), AmálioVsAmália (2011), TV Heroes (2012), Faith (2013), KinoWaltz (2014), Portugal não é um país pequeno (2015), Passa-Porte (2016) e Libertação (2017). O seu trabalho tem vindo a ser apresentado em Portugal, na República Checa e no Reino Unido.

ENQUADRAMENTO
Libertação insere-se no ciclo da companhia Hotel Europa sobre o fim do colonialismo português, iniciado com Portugal não é um País Pequeno (2015) e seguido de Passa-Porte (2016). Estes espetáculos desenvolvem-se dentro da estética do novo teatro documental, procurando aliar a experiência de criação artística à investigação académica a partir de métodos historiográficos, em particular pesquisa de arquivo e história oral. Neste ciclo, André Amálio interessa-se por situações onde pessoas reais contribuem para contestar e reconstruir identidades culturais, e particularmente pela forma como o teatro pode ter um papel na reescrita da história, dando voz a um grupo silenciado, e trabalhando na transmissão da memória entre gerações. Em 2014, festejou-se o quadragésimo aniversário do 25 de Abril, a revolução que marcou o fim do mais longo regime fascista na Europa - 48 anos, mas também o fim do Colonialismo Português, o mais duradouro de todos os impérios coloniais modernos, com quase cinco séculos de existência. Depois de todo este tempo, há ainda questões difíceis de discutir na sociedade portuguesa, relacionadas com o final desta época e a consequente passagem para a democracia. Questões traumáticas associadas ao Estado Novo, à Guerra Colonial e ao processo de descolonização, permanecem presentes na nossa memória colectiva, silenciadas que foram durante décadas devido à sua complexidade política e histórica. Libertação debruça-se precisamente sobre o mais avassalador acontecimento do fim do colonialismo Português: as guerras de independência em Angola (1961-1975), Guiné (1963-1975) e Moçambique (1964-1975). Estes fenómenos são abordados como parte do fim do colonialismo e imperialismo português em África e como causa primeira para o fim do Estado Novo. Este espetáculo aborda a guerra a partir de diferentes perspectivas, começando por uma exaustiva pesquisa bibliográfica e de arquivos sobre estas matérias, e uma recolha de testemunhos de pessoas que viveram a guerra: soldados portugueses, soldados dos movimentos de libertação, portugueses que se juntaram a esses movimentos africanos, ou ainda soldados que fugiram à tropa, integrando movimentos de resistência em França e na Argélia. A partir destas múltiplas memórias, procuram obter-se respostas plurais para este episódio histórico, olhando também para o lado mais transformador e revolucionário que trouxe a liberdade e independência para novos países em África. Este processo inclui uma vasta colecção de testemunhos e material de arquivo. Com o objetivo da sua recolha, Hotel Europa trabalhou em contato próximo com diferentes Instituições em Portugal, Angola, Guiné-Bissau e Moçambique, tais como: Associação dos Deficientes das Forças Armadas, Associação APOIAR, Associação 25 de Abril, União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), Associação Guineense de Solidariedade Social - AGUINENSO, Fórum de Estudantes Guineenses em Portugal, Liga dos Africanos e Amigos de África – Liáfrica, Centro Cultural Africano, CIDAC - Centro de Intervenção Para o Desenvolvimento Amílcar Cabral, Centro de Estudos Africano da Universidade Eduardo Mondelane em Moçambique, Fundação Portugal – África, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa na Guiné Bissau, Arquivo Histórico de Moçambique, Associação Tchiweka de Documentação em Angola, Associação Unida e Cultural da Quinta do Mocho (Sacavém e Prior Velho), Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Um sincero agradecimento a todos quantos tornaram possível esta criação.
Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Antestreia do filme A PARTIR DE UMA HISTÓRIA VERDADEIRA

Baseado no romance de Delphine de Vigan este filme foi a aposta do Festival de Cannes para ser o filme de encerramento da seleção oficial, extracompetição. Em parceria com a PRIS Audiovisuais, oferecemos convites para a antestreia em Gaia e Lisboa, dia 20 de dezembro. Habilite-se a ser um dos felizes contemplados!

Passatempo

Ganhe convites para o musical POCAHONTAS

Em parceria com a Yellow Star Company, oferecemos convites duplos para esta peça de teatro musical que está em cena até 30 de dezembro, nos cinemas UCI do El Corte Inglés, em Lisboa. Participe e... boa sorte!  

Visitas
32,422,618