"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Uma Peça | Um Museu

CONTADOR MOGOL

Este imponente móvel composto de dois corpos concentra na frente a sua principal decoração.

Uma peça do Museu Nacional de Arte Antiga


Contador Mogol

Índia mogol
Séculos XVI/XVII
Sind ou Guzarate
Teca, sissó, outras madeiras exóticas, marfim natural e tinto, laca, latão.
Prov. Leilão Burnay, 1936
Inv. 1312 Mov

Nas gavetas do corpo superior, sobre fundo vegetalista e de forma simétrica e repetitiva, recortam-se figuras humanas, em cenas de corte ou de caça, e animais, tendo como eixo a árvore da vida.

Nas portas do corpo inferior é dado grande destaque ao simurgh (retirado da literatura persa) ou rokh (inspirado num dos contos árabes das Mil e uma noites), ave mítica representada junto à árvore da sabedoria onde faz o ninho. Trata-se de um pássaro fantástico também descrito por Marco Polo que se lhe refere nos seguintes termos: “Aqueles que os viram dizem que eles são na realidade como águias muito grandes. Contam que são tão fortes que levantam ao ar um elefante”.

O interesse desta composição tem, ainda, particular significado no plano inferior das portas onde, pela sua indumentária, se destacam figuras de cavaleiros portugueses caçando com grandes lanças. A sua representação na decoração é, sem dúvida, sintomática de uma presença real efetiva.

O modo de construção e técnica utilizados e, sobretudo, o tipo de cenas historiadas e a própria representação dos intervenientes remetem esta peça para produção mogol, distinguindo-a do mobiliário indo-português (embora nele inspirado).

Mogol é o termo usado para designar a dinastia fundada por Babur (chefe guerreiro vindo da Ásia central), que ao conquistar o sultanato de Deli, em 1526, estabelecerá um império maometano na Índia durante mais de três séculos. A palavra virá a englobar a produção artística saída das oficinas imperiais onde se reunia a elite dos artistas das várias regiões do império, resultando em obras que refletiam as diferentes fontes de inspiração. A esse contexto irá acrescentar-se a marcante influência dos missionários portugueses.

Da fusão de todas essas contribuições resultou uma expressão artística, requintada e minuciosa, com características muito específicas como é o caso deste esplêndido contador.

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites para a antestreia de "O CASTELO DE VIDRO"

Em parceria com a PRIS Audiovisuais oferecemos neste passatempo convites duplos para a antestreia que se realiza no próximo dia 18 de outubro (quarta-feira), em Gaia e Lisboa. Findo o passatempo, divulgamos aqui os nomes dos vencedores! 

Visitas
32,038,165