"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Uma Peça | Um Museu

CENTRO DE MESA

Pertenceu ao 8º Duque de Aveiro, cujos bens foram confiscados após a acusação de envolvimento na conspiração contra o rei D. José I em 1758.

Uma peça do Museu Nacional de Arte Antiga.


Centro de Mesa

Paris 1729-31, TG, Thomas Germain
Paris 1757, FTG, François-Thomas Germain
Prata fundida, repuxada, gravada e cinzelada
Prov. D. José de Mascarenhas e Lencastre, 8º Duque de Aveiro, e D. José I, Rei de Portugal
Inv. 1827 our

Aparece referido no Inventario e Sequestro da Casa Aveiro em 1759 com o nº 94, passando desde então a integrar as coleções da Casa Real.

A necessidade de se fabricarem este tipo de peças, hoje raras, explica-se no contexto do cerimonial do serviço à la francaise, instituído por Luís XIV em Versailles, nos finais do século XVII, segundo o qual os alimentos eram colocados sobre a mesa em séries sucessivas, que se designavam cobertas ou serviços, e cujo número variava conforme o aparato do banquete. Apenas permaneciam sobre a mesa os saleiros, especieiros, galheteiros e açucareiros, que eram reunidos para maior comodidade num surtout, colocado no centro da mesa, e que à noite também servia de luminária. A esta função utilitária se associava o aspeto ornamental, tornado preponderante à medida que se avançava na primeira metade do século XVIII.

A peça apresenta, além dos punções de Thomas Germain, o mais célebre ourives da época, a seguinte inscrição: FAIT. PAR. F. T. GERMAIN. SCULPr. ORFre. DU. ROY. AUX. GALLERIES. DU. LOUVRE. A. PARIS 1757, o que significa que François-Thomas Germain assinou uma obra de seu pai, retida em oficina durante 26 anos, sendo provável que, nesse período, a tenha modificado e ampliado, nomeadamente na tampa e na base, o que explica o caráter um pouco heterogéneo do conjunto.

Trata-se de uma obra paradigmática do seu tempo, confirmando indiscutivelmente o talento e o título de escultor dos Germain, e representa, pela perfeição do cinzel, fantasia e originalidade da sua composição, um dos cumes da produção parisiense setecentista. Constitui ainda um exemplo bem elucidativo da riqueza e ostentação de que se rodeava um grande senhor nesta época.

Agenda
Colóquios, Conferências e Debates

À Conversa com…

Museu de Cerâmica de Sacavém 23 Set   |  15h00

Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites para "A Última Noite do Capitão"

Em parceria com a Yellow Star Company, oferecemos convites duplos para assistir a esta Tragicommedia dell'arte, no próximo dia 24 de setembro (domingo), às 21h00, no Teatro Armando Cortez, Lisboa. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos vencedores!

Visitas
31,849,792