"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Projeto Cena Jovem quer abrir espaço para os novos músicos de jazz

Jazz ao Centro Clube lança projeto para impulsionar a gravação e a apresentação em sala dos trabalhos de instrumentistas recém-formados.


A Cena Jovem Jazz.pt nasce da dificuldade. Em Portugal, os músicos de jazz recém-formados, diz o diretor do Jazz ao Centro Clube (JACC), José Miguel Pereira, têm “imensas dificuldades em arranjar espaços para a apresentação do seu trabalho” e uma “dificuldade extrema em editar um disco, em tocar composições próprias”.

Como dar resposta a este problema? Providenciando tempo e espaço de gravação, através de residências artísticas, e montando uma rede de salas onde os jovens músicos possam apresentar os trabalhos. É esse o objetivo da iniciativa Cena Jovem Jazz.pt, impulsionada pela revista online Jazz.pt, editada pelo JACC.

A primeira fase deste projeto, que quer editar entre seis a nove trabalhos nos próximos dois anos, já arrancou. A residência artística inaugural, do Fragoso Quinteto, teve lugar em Coimbra, entre 22 e 25 de outubro, com passagem do grupo pelo grande auditório do Conservatório de Música e pelo Salão Brazil, a casa do Jazz ao Centro. O trabalho que daí resultou será lançado ainda este ano.

No final deste mês, o JACC vai abrir novo concurso para a próxima residência artística. As chamadas estão abertas a proponentes que tenham menos de 25 anos (no caso de se tratar de um coletivo, a maioria dos integrantes do grupo deve ficar abaixo dessa fasquia etária) e possuam composições originais, de que devem fornecer gravações de trabalho. O único membro fixo do júri de três elementos é o editor da Jazz.pt, Rui Eduardo Paes. As outras duas figuras estarão ligadas ao ensino e à promoção e à divulgação do jazz, avança José Miguel Pereira.

“Para cumprir um papel transformador, o projeto tinha de ter várias valências”, diz o responsável: se a tónica fosse colocada apenas na edição, o que já seria uma ajuda "extremamente importante", corria-se o risco de se “ficar a meio caminho”.

As gravações, que terão a chancela Cena Jazz.pt, um sub-selo da JACC records, vão ser feitas em vários espaços, no âmbito de uma rede de parceiros que ainda está em composição. De acordo com José Miguel Pereira, o projeto entrou em contacto com cerca de 40 entidades, tendo já constituído um núcleo duro de teatros municipais “cuja função é acolher a itinerância dos trabalhos que forem sendo gravados”.

Outro dos aspetos que ainda não está fechado é a componente financeira. “Vamos procurar concursos, nomeadamente do Ministério da Cultura e da Direcção-Geral das Artes, que possam apoiar este projeto, tanto no âmbito da edição como no da circulação”, afirma o diretor do JACC. Apoios que seriam “fundamentais”, apesar de não serem as únicas portas possíveis. A somar aos parceiros, que serão chamados a participar financeiramente, o JACC vai "procurar privados que tenham interesse em ser mecenas”, adianta José Miguel Pereira. “Pensamos que também é responsabilidade das estruturas culturais municipais promoverem os trabalhos dos jovens artistas nacionais”, acrescenta.

Apesar de considerar que “há alguns obstáculos a que muita da nova música nacional chegue ao público”, acredita que há respostas que podem ser tentadas. A Cena Jovem Jazz.pt, que além de providenciar uma plataforma aos artistas quer “formar e desenvolver públicos para esta música”, é “um contributo pequeno, mas relevante”, defende.


por Camilo Soldado in Público | 6 de novembro de 2018
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Público

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
35,650,585