"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

MORREU CLARA MENÉRES

Via-se como uma artista de vanguarda, tendo marcado várias correntes ao longo das décadas, desde a arte feminista e erótica nos anos 1960 e 1970, à arte religiosa nos últimos anos.

 

Maria Clara Rebelo de Carvalho Menéres nasceu em Braga, a 22 agosto de 1943, estudou escultura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde foi aluna de Barata Feyo, Lagoa Henriques e Júlio Resende, tendo concluído a licenciatura em 1968.

Expôs individualmente pela primeira vez em 1967 e foi bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris entre 1978 e 1981, doutorando-se na Universidade de Paris VII em 1983. Foi também investigadora do Center for Advanced Visual Studies do Massachusetts Institute of Technology (MIT) entre 1989 e 1991.

Iniciou a atividade pedagógica na Escola Superior de Belas Artes do Porto e, entre 1971 e 1996, foi professora da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, onde exerceu o cargo de presidente do conselho diretivo de 1993 a 1996. Foi depois professora catedrática na Universidade de Évora, onde lecionou de 1996 a 2007.

Uma das suas obras mais conhecidas é “Jaz Morto e Arrefece”, uma representação escultórica realista de um soldado morto com a farda da guerra colonial, inspirada no poema “O Menino de Sua Mãe”, de Fernando Pessoa. Esta obra pode ser vista atualmente na Fundação Calouste Gulbenkian, na exposição “Pós-Pop. Fora do lugar comum”, entre outras peças da autora, que também está representada na coleção da entidade.

Em 2016, o Santuário de Fátima assinalou o encerramento das celebrações do Centenário das Aparições do Anjo da Paz com a inauguração de uma escultura em bronze — “O Anjo da Paz” — da autoria de Clara Menéres. Esta imagem do Anjo da Paz, em bronze, representa uma figura jovem, embrulhada num manto branco, com uma pomba numa mão e o ramo da oliveira na outra, numa referência ao Antigo Testamento. Também no Santuário de Fátima se encontra, desde 2000, uma imagem da jovem pastora Jacinta, da sua autoria.

O Cento Nacional de Cultura não esquece a sua amizade e envia sentidas condolências à família.

Agenda
Ver mais eventos
Visitas
34,696,063