"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Nova coreografia de Olga Roriz homenageia Ingmar Bergman

Revisitando o universo de Bergman, "A meio da noite" reúne "a dança o teatro e o cinema à procura de um outro lugar".

Foto: Veríssimo Dias


"A meio da noite", de Olga Roriz, é uma homenagem ao realizador sueco Ingmar Bergman. A estreia está marcada para 27 de abril, no Teatro Nacional São João, Porto.

De acordo com a Companhia Olga Roriz, esta nova criação vai ter apresentações a 27, 28 e 29 de abril, resultado de uma coprodução com o Teatro Nacional São João, o Teatro Municipal de Bragança e o Teatro Municipal de Vila Real.

Celebrando o centenário do nascimento do dramaturgo e cineasta Ingmar Bergman (1918—2007) e as comemorações do dia internacional da Dança, a 29 de abril, a peça estreia-se no âmbito do Festival Dias da Dança.

À estreia absoluta antecede-se uma residência artística em Leiria, a convite do Festival de Música de Leiria, que originará uma antestreia do espetáculo, já no sábado, no Teatro José Lúcio da Silva, às 21h30.

“A minha abordagem a outras obras, outros autores. Processos e percursos de criação. O método dentro do método. Pesquisa fora e dentro do pensamento. Os intérpretes e os afetos. A mais secreta intimidade", define assim a coreógrafa este seu trabalho, num texto citado pela companhia.

Revisitando o universo de Bergman, "A meio da noite" reúne "a dança o teatro e o cinema à procura de um outro lugar".

"Poucos realizadores conseguiram encontrar profundidade no interior do ser humano. Os seus sonhos cheios de pesadelos foram a base inspiradora de muitos dos seus filmes, onde nos quais espaço e tempo se desvanecem do real. A impossibilidade de comunicação, a religião e a morte são as temáticas mais obsessivas de Bergman", aponta a criadora, sobre a obra de Bergman.

Olga Roriz recorda ainda que, "apesar de lhe interessar qualquer ser humano, seja homem ou mulher, Bergman não esconde gostar mais de trabalhar com mulheres, afirmando que são melhores atrizes, talvez porque têm uma relação mais aberta com a sua reflexão".

A banda sonora reúne músicas de Johann Sebastian Bach, Erik Satie, Primal Scream, Michelle Gurevich, Franz Schubert, Frédéric Chopin, Piotr Ilitch Tchaikovsky, Richard Wagner, Dolf van der Linden, Erhard Bauschke, Giovanni Fusco, Jefferson Airplane, excertos sonoros do filme "Metropolis" (1927), de Fritz Lang, "Persona" (1966), de Ingmar Bergman, e uma entrevista ao realizador.


in Rádio Renascença | 13 de abril de 2018
Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Rádio Renascença

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites para o festival Curtas Vila do Conde

Temos o prazer de oferecer convites duplos para sessões da Competição Nacional, a qual reune o melhor do cinema português produzido em 2017 e 2018 em matéria de curta-metragem. Participe e... habilite-se a ser um dos felizes contemplados!

Visitas
34,401,635