"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Teatros

Evocação de uma atriz e dos teatros em que atuou

Um livro da autoria de Ana Isabel Vasconcelos, sobre a atriz Emília das Neves (1820-1883) chamada na época “a linda Emília”, retrata e analisa com grande qualidade, não só a biografia da atriz que tanto marcou o seu tempo, como refere, com detalhe e rigor histórico, os teatros em que se desenvolveu uma carreira à época notável e como tal, justamente evocada e analisada.

Ilustração do Teatro D. Fernando, in "Revista Popular", nº37, 1849, p.721


E importa então referir que, a partir da biografia pessoal e artística da atriz, se descreve o meio teatral da época, designadamente os teatros-edifícios então em atividade: e sobretudo a projeção que o teatro português então alcançava obviamente em Portugal mas também no Brasil. (cfr. “Emília das Neves”- Biografias do Teatro Português - ed. INCM 2017).

Neste contexto, fazemos hoje referência a um efémero teatro de Lisboa, o chamado Teatro D. Fernando, inaugurado em 29 de outubro de 1849 e demolido exatos 10 anos depois. E isto, não obstante ter merecido de Garrett o maior dos elogios, no contexto do espetáculo inaugural: “não se pode representar melhor” teria dito o então já consagradíssimo escritor, a propósito, precisamente, da interpretação de Emília das Neves em “Adriana Lecouvreur” de Eugène Scribe e Erneste Legouvé, peça na época prestigiada e que inclusive seria “transformada” em ópera por Francisco Cilea em 1902.

O teatro D. Fernando era dirigido por Emile Doux, figura então dominante do meio teatral português. Só que o edifício não oferecia um mínimo de garantias de qualidade.

Sousa Bastos, escrevendo em 1908 no “Diccionário do Theatro Português”, que aqui temos evocado, é categórico: “O Theatro de D. Fernando era mal construído, de má aparência e com uma sala defeituosa e mal ornamentada”, nada menos!

Ana Isabel Vasconcelos cita um texto datado de 1853, onde se refere depreciativamente o Teatro:  aí se diz “ser a fachada de mau gosto, o interior acanhado, os ornamentos símplices, a sala de espetáculos elíptica, dividida em quatro ordens de camarotes sendo três para Suas Majestades, 54 destes par o público e dois para o proprietário, com uma lotação total de 640 pessoas” (in “Emília das Neves” ed. INCM  2017, pág. 73).

E José Augusto França evoca também Emile Doux a propósito do Teatro D. Fernando: “Doux inaugurou esta última sala com a célebre «Adrianne Lecouvreur» de Scribe. Encenador sem concorrente, fundador de um curso de declamação, Doux foi o mestre de uma nova geração de atores nascidos entre 1810 e 1820, que farão o sucesso do teatro romântico”. (in “O Romantismo em Portugal” segundo volume, ed. Livros Horizonte).

E refere precisamente como “vedeta do dia, paga já como uma verdadeira «estrela», a «bela Emília»!

O certo é que o Teatro D. Fernando pouco tempo durou. Mas veremos, a propósito ainda do estudo de Ana Isabel Vasconcelos, a relevância na época, do teatro e dos teatros em todo o país mas também no Brasil.  

Duarte Ivo Cruz

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Visitas
32,238,378