"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Destaques

DIÁRIO DE AGOSTO

O Centro Nacional de Cultura não esquece os associados e amigos em merecidas férias. Este ano, acompanhe o Diário de Agosto, da autoria de Guilherme d'Oliveira Martins, que responderá a dúvidas e fará comentários ao sabor da pena.

Boas leituras!

DIÁRIO DE AGOSTO
por Guilherme d'Oliveira Martins

  • 1 de agosto - PORQUÊ ALFACINHAS?

Este diário de Agosto responderá a dúvidas e fará comentários ao sabor da pena.
Para começar apresento a ilustração de Luís Diferr sobre Lisboa antes do Terramoto…
E faço eco de uma persistente pergunta – por que razão são os lisboetas designados, desde tempos imemoriais, por alfacinhas?
Almeida Garrett imortalizou o epíteto nas «Viagens na Minha Terra», mas não explicou: «Pois ficareis alfacinhas para sempre, cuidando que todas as praças deste mundo são como a do Terreiro do Paço».
Pois bem, alfacinha vem mesmo de alface (latim, lactuca saliva, do árabe al-khass) e o diminutivo é um sinal não apenas de afeto, mas também de uma certa depreciação… É que provavelmente foram os moçárabes dos arrabaldes, a quem os lisboetas chamavam saloios (da palavra çaloio, que era o tributo pago pelos padeiros mouros de Lisboa), que devolveram o cumprimento, comparando os lisboetas a grilos pelo gosto das alfaces que cultivavam, comiam e encomendavam aos almocreves que pagavam os seus tributos nas portas de Benfica para entrarem na cidade.
Correu a ideia de que no cerco de Lisboa de 1384 (de 4 meses e 27 dias) Lisboa se teria aguentado a comer alfaces. Não é verdade. O cerco foi levantado com o alarme de peste…
Em suma, «alfacinha» é um mimo dos moçárabes saloios, talvez cansados de exigências e sobrancerias…
Lisboetas, alfacinhas para sempre…


 

  • 2 de agosto DIÁLOGO NA «BRASILEIRA»…

O Chiado está cheio de histórias. José-Augusto França diz que a capital de Portugal é Lisboa e a capital de Lisboa é o Chiado, e tem razão!
Hoje recordamos um episódio invocado por Luís de Oliveira Guimarães… «Uma tarde Gualdino Gomes (1857-1948) entrou na Brasileira e pediu ao criado – o venerável João – chá e bolos. João não tardou com o lanche. – Os bolos estão frescos? – quis saber Gualdino. – Se são frescos! Vieram agora mesmo da pastelaria… Gualdino, encaixando o monóculo: - Isso não prova nada. Também eu vim agora mesmo de casa e já tenho 78 anos…».
Gualdino era um conhecido jornalista, crítico de teatro, a quem Fialho de Almeida, de «Os Gatos», acusava de não ter obra…
O certo, porém, é que foi durante muitos anos testemunha da boémia e da atividade teatral lisboeta e sobretudo elo entre a gloriosa geração de 1870 e os começos do século XX… Gostava de dizer: «Sou um leitor, não sou um escritor». Fizera a banca de jornalista no «Repórter» ao lado de Oliveira Martins, D. João da Câmara e Teixeira-Gomes…
Sobre «A Brasileira», dizia Raul Brandão: «A um canto, de gabinardo e barba branca, Gualdino prepara a última piada»…
Lisboa de outro tempo…



  • 3 de agosto | COMENDADOR PINTO…

Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929) foi no seu tempo e na história da pintura portuguesa uma referência de primeira grandeza. Por isso, era muito procurado para que fizesse os retratos das mais diversas personalidades. E chegaram até nós obras-primas ligadas aos maiores vultos da cultura e da vida nacional.
Enquanto seu irmão Rafael imortalizou no «Album das Glórias» os nossos maiores, Columbano fez retratos naturalistas que ombreiam com os de maior qualidade na pintura europeia.
Naturalmente que tinha critério e muito selecionava os seus eleitos. Se nos lembrarmos da Galeria de Presidentes da República, fácil é de verificar que são de Columbano os retratos mais intensamente marcantes.
Conta-se que havia o pedido especialmente insistente de um tal comendador Pinto, novo-rico endinheirado, brasileiro de torna-viagem, ostentando muitos ouros e sinais exteriores de opulência…
E o certo é que o tal senhor não desistiu de conseguir a resposta positiva do pintor. Um dia o comendador veio a Lisboa e dirigiu-se sem anúncio prévio ao ateliê de Columbano, a S. Francisco, no Chiado.
O artista quando soube da presença do estranho ficou incomodado com a impertinência, mas acedeu a recebê-lo, dizendo ter muito pouco tempo. Entrou o Comendador e Columbano recebeu-o de bata e com os pincéis na mão… Pinto começou a falar da grande admiração e do interesse em ser pintado pelo grande mestre. Mas este atalhou a conversa e perguntou: - Como disse Vossa Excelência que se chamava? – Pinto, comendador Pinto – redarguiu o interlocutor. – Ah! Pinto? … Não pinto!... E o assunto ficou por ali.



  • 4 de agosto | TRATOS DE POLÉ

Tratos de polé são, na expressão popular, maus tratos, tormentos. A polé era um instrumento de tortura usado pela Inquisição, que consistia em um «moitão seguro no teto, onde era suspensa a vítima, com pesos nos pés», por cordas, rolando numa roldana, deixando-a cair o carrasco em brusco arranco sem tocar no chão. 

Mas não é desse triste e macabro instrumento que vos falamos hoje, mas dos tratos de polé que sofre a nossa querida língua pátria todos os dias – não só pelo vulgo, mas também nas rádios e televisões, por pessoas que teriam a obrigação de não dar pontapés na gramática. E o certo é que respeitar a língua é respeitarmo-nos como identidade, como património vivo e como cultura. 

Exemplos? O verbo haver está muitas vezes a ser conjugado no plural e não pode ser. Diz-se sempre: Haverá ou há muitas coisas! E não os disparates que aí se ouvem. Já agora, haver escreve-se eternamente com agá - h! O verbo intervir anda confundido com não sei o quê. Diz-se intervim, interveio, interviemos! O plural de acordo não é acórdos – como o de molho (de carne) é molhos e não mólhos, que são de palha e próprios dos asnos. O plural de há de é hão de… Cuidado com as gafes do Gastão, que nem os macaquinhos sábios compreendem… Et cetera, et cetera… 
Numa palavra, queridos leitores, cuidado com a língua!



  • 5 de agosto | PRODUTIVIDADE...

O António Alçada Baptista era um incansável contador de histórias. Podiámos estar com ele horas a fio, serões seguidos, mas sempre havia motivo para bom convívio. A ele voltaremos mais vezes… Esta é dele.
Um amigo, diplomata brasileiro, foi colocado na Embaixada do Brasil na Holanda. Chegou à noite e, logo na manhã seguinte, telefonou para a Embaixada para combinar com o Embaixador a sua apresentação.
Atendeu o porteiro, um português emigrado, que assegurava a guarda daquela casa. O diplomata perguntou: - O Senhor Embaixador está? – O Senhor Embaixador não está. E como ele sabia como se compunha o quadro da Embaixada, foi perguntando, um por um, pelos seus titulares. Não estava nenhum.
Admirado, perguntou: - Então, de manhã não trabalham? Resposta do porteiro zeloso: - Não. De manhã não vêm. À tarde é que não trabalham!...



  • 6 de agosto | TROCA-TINTAS...


A porta da «Havaneza» no Chiado era local certo para reunir os janotas e os más-linguas.
Era lá que se juntavam os galãs para ver sair as meninas da missa dos Mártires e apreciar as beldades que desciam a calçada para tomar chá na Bénard, verdadeira passagem de modelos. Na Havaneza vendiam-se os melhores puros de Lisboa e os mais afamados tabacos portugueses e estrangeiros.
Sabemos que Cesário Verde era uma fraca figura, tímido, macilento, sempre entretido com os seus botões. Um dia, como de costume, descia a rua Larga de Santa Catarina, o nosso Chiado, vindo do Bairro Alto, onde deixara um poema no «Diário de Notícias», a caminho da loja de ferragens do pai na rua dos Fanqueiros.
Um dos habitués da porta da tabacaria que, por qualquer razão, implicava com Cesário, vendo-o, não se conteve e comentou alto e bom som: - Olha o Cesário Azul… O poeta parou, fitou o engraçado e apenas disse: - Com que então troca-tintas…



  • 7 de agosto | OS CANDEEIROS...

Esta também é do António Alçada, mas associa outro amigo do coração – o José Guilherme Merquior, grande ensaísta e diplomata brasileiro.
Pouco depois do 25 de Abril, o José Guilherme passou por Lisboa e fez uma conferência no Centro Nacional de Cultura sobre a crise da cultura contemporânea. Ele era uma personalidade fascinante que amava verdadeiramente a liberdade. Ainda havia naquele tempo um fervor revolucionário…
A conferência, como se esperava, foi um sucesso e revelou a extraordinária lucidez do seu autor. Um perguntador profissional invocou a ladainha habitual do materialismo dialético. E o José Guilherme foi claro, como era seu apanágio, na resposta:
- «O mais que eu posso conceder é que o materialismo dialético, como método de interpretação, pode ocasionalmente servir-nos de alguma utilidade, mas como filosofia, acho que funciona como os candeeiros para os bêbedos: mais para se agarrar do que para iluminar»…



  • 8 de agosto - ESPAMPANANTE…

Um pinga-amor muito conhecido na noite lisboeta mudava amiúde de namoradas, que ia ostentando com garbo no Chiado lisboeta para espanto de muitos. Acontece que nem sempre a cultura e a erudição acompanhavam a espetacularidade das senhoras… 
Um dia, descendo a rua da Misericórdia, o sujeito, que conhecia meio mundo e que gozava de simpatia mesmo daqueles que lhe davam o desconto pelo excesso da sua instabilidade afetiva, coincidente com a sua inclinação para a multiplicação de belas companhias, encontrou um velho conhecido… E demorou-se algum tempo na conversa, para desespero da jovem companhia, que se aguentava mal nuns sapatos espampanantes de saltos altíssimos. 
Terminado o colóquio, despediram-se os dois amigos e ela perguntou: - Quem era? – Era o Marquês de Pombal!... Incrédula e julgando tratar-se de brincadeira, respondeu: - Também se não queres dizer, não digas…



  • 9 de agosto A PALAVRA PORTUGAL!

Perguntam-me sobre a etimologia Portugal. Donde vem essa palavra mágica? Foi da cidade da foz do rio Douro que houve nome Portugal. Portus vem do latim e corresponde a uma entrada de mar – a raiz tem a ver com o elemento per, que em sânscito significa abertura, e que encontramos em oportunidade, isto é, na decisão do capitão do navio para entrar num porto...
Portucale ou Portugale (o c e o g em latim confundem-se) é o aglomerado da embocadura do rio Douro – e dur em sânscito significa um espelho de água. E que é Gale? A referência ao povo estabelecido naquela região. É um povo celta que vem do Oriente e se estabeleceu no noroestre da Península na Galiza.
Estamos a falar dos galos, galécios ou galegos – que se integram numa genealogia bem influente em todo o continente europeu.
E é assim que encontramos em toda a Europa primos nossos que se identificam pelo elemento gal: Gálatas, povos da Galácia, na parte central da Capadócia, que S. Paulo bem conheceu e fundaram o bairro de Istambul Galatasaray; Cracóvia fica na Galícia; Astérix é gaulês e está entre os avós dos franceses (nos ancêtres les gaulois), os galos são, aliás, o símbolo desse povo (que batizou o simpático animal com o onomatopaico coq – cocoricoo); no sul da Grande Bretanha fixaram-se os Galeses e aí se fala gaélico; e por fim chegamos aos trovadores do galaico-português... Eis uma identidade bem europeia com raízes na Índia...



  • 10 de agosto AS CORES DA NOSSA BANDEIRA...

Os nossos leitores, sempre atentos, perguntam sobre a razão de ser das cores da bandeira nacional. Foi uma comissão constituída por Columbano Bordalo Pinheiro, João Chagas, Abel Botelho, Ladislau Parreira e Afonso Palla que propôs a bandeira que temos.
O verde e o vermelho (a esperança e o sangue dos heróis) foram as cores adotadas pelo Partido Republicano Português e desde pelo menos a revolução do Porto de 31 de janeiro de 1891 simbolizaram a sua causa. O decreto de 19 de junho de 1911 adotou a bandeira nacional, instituindo como feriado nacional 1 de dezembro, dia da bandeira.
O retângulo bipartido verticalmente em duas cores fundamentais vermelho e verde estivera na Rotunda e na Praça do Município a 5 de outubro de 1910 – ainda que o vermelho estivesse junto da tralha. Guerra Junqueiro defendeu que a bandeira fosse azul e branca, na tradição liberal do constitucionalismo de D. Pedro IV – mas o seu ponto de vista não foi adotado.
No centro da bandeira encontra-se a esfera armilar de D. Manuel I, os castelos de D. Afonso III e ao centro as cinco quinas de D. Afonso Henriques, a invocar a Batalha de Ourique, representando de modo inequívoco a tradição histórica de Portugal.
O verde adotado, na linha da dinastia de Aviz e dos símbolos de D. Manuel, foi o esmeralda e não o verde escuro proposto por Columbano e aprovado pela comissão... No entanto, as tintureiras da Cordoaria Nacional não encontraram o verde escuro e ficou o esmeralda. Columbano comentou: - Não ficou como eu desejava, tenho pena...



  • 11 de agosto - LARÁPIO APAVORADO

Sophia de Mello Breyner foi exemplo de coragem, de talento e de determinação. A sua fragilidade aparente contrastava com um carácter surpreendentemente destemido. Conta-se que, ainda jovem, e numa zona pouco iluminada, foi assaltada, ou melhor, foi vítima de uma tentativa de assalto. 
Convém explicar que, pela vida fora, Sophia revelou uma aversão completa, que tantas vezes se manifestava com pavor, a fantasmas e a elevadores. Na dúvida, preferia sempre as escadas e em casas desconhecidas certificava-se sempre se não estavam assombradas. 
Um dia na PIDE descompôs um agente que pretendia levá-la de elevador para um andar superior do terrível antro... 
Mas voltemos ao episódio da tentativa do assalto... Sempre aparentemente distraída, ia no seu passo apressado, quando o meliante lhe estendeu a mão à mala. Sophia não largou a carteira e deu um enorme grito, lancinante, que deixou o ladrão petrificado e Sophia acrescentou, alto e bom som: - Ah! Julgava que era um fantasma! Afinal, é apenas um ladrão!... E o larápio fugiu a sete pés apavorado...



  •  12 de agostoA «ABERTINHA» DE GUALDINO...


Já conhecemos Gualdino Gomes, o crítico de teatro que tinha presença certa na boémia de Lisboa e fazia escritório na «Brasileira».
Na sessão de estreia de uma peça bastante publicitada, que tinha lugar no Teatro Ginásio, o conhecido jornalista estava pronto para comentar o espetáculo em cujo elenco havia figuras de proa do meio artístico... 
Tudo começou e desenvolveu-se, a preceito como mandam as regras – no entanto depressa se percebeu que aquele não era dia de sucesso. A peça era vulgar, os atores não estavam em forma, o ensaio deixava muito a desejar, as fragilidades eram tais que a voz do ponto era demasiado audível e as deixas estavam mal combinadas. 
Gualdino preparou um estratagema para se libertar daquele suplício – e, meu dito meu feito, a certa altura, havia uma tempestade em cena, que amainava para alegria do crítico... E então o escriba, levanta-se de modo ostensivo e diz: - «Vou-me andando, deixa-me aproveitar esta abertinha»...



  •  13 de agosto - UM PRATINHO E UM GATO...


Já falámos de Guerra Junqueiro, a propósito da polémica da bandeira nacional. Hoje, voltamos ao poeta de «Os Simples», numa outra faceta da sua vida – a de apaixonado pelas antiguidades, que colecionou abundantemente e que também negociou..
O poeta fez várias viagens, percorrendo o País de lés-a-lés, em busca de loiças antigas e de móveis. Ao longo da vida, adquiriu larga experiência e conhecimento que lhe permitiu reunir uma valiosa coleção que, em parte, chegou aos nossos dias na Casa-Museu Guerra Junqueiro no Porto.
Um dia, algures Entre-Douro-e-Minho foi-lhe dado visitar uma casa antiga, solar levemente decadente, no qual caixotes de batatas e legumes coexistiam com velhos móveis e arcazes indo-portugueses, em que na antiga biblioteca havia galinhas e coelhos em inteira liberdade...
Mas a atenção de Guerra Junqueiro fixou-se num gatinho e no pequeno prato onde se dessedentava com sopas de leite... O poeta afeiçoou-se ao simpático felino e pediu à dona da casa se poderia levá-lo consigo... A senhora hesitou. Referiu o afeto que reservava ao animal. Mas Junqueiro insistiu muito e com tanto enlevo, que lá levou o gato... Mas convém acrescentar que não esqueceu o respetivo pratinho, que era uma preciosidade autêntica da Companhia das Índias...


 

  •  14 de agosto - ALEXANDRE O´NEILL 

Alexandre O´Neill é um dos grandes poetas portugueses de sempre. A sua obra é inesgotável. Cada palavra é ideia e é festa...
Foi um dos grandes amigos de António Alçada e mantiveram sempre esse afeto, por nunca se levarem demasiado a sério.
Hoje escolhemos dois belos e enigmáticos poemas. O primeiro sobre a misteriosa palavra já:
«Já não é hoje? / Não é aquioje? / Já foi ontem? / Será amanhã? / Já quandonde foi? / Quandonde será? / Eu queria um jazinho que fosse / aqui já / tuoje, aqui já...»
O segundo foi imortalizado por Amália – e Adriana Calcanhoto lembra-o! É sobre uma minuciosa formiga! A fábula reinventada!
«Minuciosa formiga / não tem que se lhe diga: / leva a sua palhinha / asinha, asinha. / Assim devera eu ser / e não esta cigarra que se põe a cantar / e me deita a perder / Assim devera eu ser: / de patinha no chão / formiguinha ao trabalho e ao tostão. / Assim devera eu ser / Se não fosse não querer...».

 


 

  • 15 de agosto - O BARÃO DE ITARARÉ 

O Barão de Itararé (1895-1971) era um cultor do humorismo político. Recriou mil provérbios renovando-lhes o sentido. Eis alguns exemplos de seus provérbios reinterpretados: 

O que se leva desta vida é a vida que a gente leva. 

Diz-me com quem andas e eu direi se vou contigo. 

Não é triste mudar de ideias, triste é não ter ideias para mudar. 

Mantenha a cabeça fria se quiser ter ideias frescas. 

Quem empresta, adeus... 

Viva cada dia como se fosse o último - Um dia você acerta... 

Quando o pobre come frango, um dos dois está doente. 

A criança diz o que faz, o velho diz o que fez, o idiota diz o que vai fazer...

Devo explicar que o Barão de Itararé não era nobre nem nobilitado, esse era apenas seu pseudónimo. Chamava-se Aparício Torelly e celebrizou-se por uma inesgotável coleção de aforismos. É um dos grandes humoristas brasileiros e da língua portuguesa...


 

  • 16 de agosto - JOSÉ SESINANDO...
 
José Sesinando Palla e Carmo (1923-1995) foi escritor, ensaista, crítico, tradutor e especialista em literatura anglófona. É inesgotável a lista dos seus jogos de palavras. A sua escrita e as suas obras merecem ser mais e melhor conhecidos... Não resistimos a dar uma breve lista - recordando as suas impagáveis colunas no Jornal de Letras... Ei-los.

Foi Copérnico quem primeiro viu a estrela pular. 

Os terroristas raciocinam por explosão de partes... 

O Adágio de Albinoni, depois de muito tocado na rádio, tornou-se um adágio popular. 

Vá de Metro, Satanás! (este foi em diálogo com Alexandre O’Neill). 

Os conferencistas ateus não têm Papas na língua. 

É vidente: mente! Evidentemente. 

Sabe onde é que o Alberto moravia? 

Quem não tem Rolls, rói-se. 

Os tecnocratas estão classificados por ordem analfabética... 

Tudo leva a crer que os doze pares de França quando visitaram Portugal pernoitaram na Casa dos 24...

 


 

  • 17 de agosto - PESSOAS DE BEM


Henrique de Paiva Couceiro (1861-1944) foi um resistente monárquico persistente e por isso respeitado pelos seus adversários. Em outubro de 1910 foi dos únicos que se bateu em defesa de D. Manuel II, ainda que sem sucesso. Muitas vezes foi preso, sofreu o exílio, foi julgado, condenado, mas manteve sempre a mesma coerência. 
Numa das vezes em que foi detido e estava numa das esquadras de Lisboa, Afonso Lopes Vieira, o grande poeta de S. Pedro de Moel, soube do sucedido e decidiu exprimir a sua solidariedade para com o amigo. 
Fez uma pequena mala, onde colocou um pijama, uma muda de roupa, os utensílios fundamentais de higiene e partiu para a esquadra, suponho que da Praça da Alegria. Chegado, dirigiu-se ao piquete: - Venho para ser preso! O guarda não queria acreditar no que ouvia… E perguntou: - Que deseja o senhor! O poeta respondeu: – Quero exatamente o que já ouviu – ser preso! – Mas cometeu algum crime? – Claro que não… Mas não é aqui que está Paiva Couceiro? Pois bem, aqui prendem pessoas de bem, e por isso aqui estou. O guarda ficou sem resposta e Lopes Vieira sentou-se na sala de espera com a maleta a seus pés…



  • 18 de agosto - MÁ CONSCIÊNCIA...

Esta também se passou com o António Alçada Baptista. O problema da má consciência é que funciona muitas vezes como motivo de cegueira e de falta de um mínimo de racionalidade.
Uma vez na UNESCO, onde António Alçada estava a convite do saudoso Eduardo Portella, que nos deixou há pouco, um suíço, num discurso inflamado, condenou severamente os espanhóis por terem descoberto a América.
Felizmente, estava presente um egípcio que pôs os pontos nos ii: «Quando se fala da história dos nossos povos, parece que depois da chegada dos europeus é que tudo ficou muito mal. Ora, não é possível esquecer que, antes da chegada dos europeus, os nossos povos tinham expressões de escravatura e de exploração, tanto mais graves do que aquelas que os europeus trouxeram. Mas há uma coisa que se esquece (referiu o egípcio, com particular ênfase): é que, se os nossos povos viveram um dia a liberdade, isso é devido aos valores da democracia e dos direitos humanos, que foram trabalhados e divulgados pela Europa, que ela levou para lá e constituem hoje a nossa única esperança…».


 

  • 19 de agostoO CASO DA NÃO CRIAÇÃO DE PORCOS…


Esta também foi contada, cheia de pormenores, pelo António Alçada, como ilustração do analfabetismo da tecnocracia.
Millor Fernandes dizia que «a economia compreende toda a atividade do mundo. Mas nenhuma atividade do mundo compreende a economia». A este propósito recorda-se o célebre caso da não criação de porcos.
Abreviando razões, trata-se de um subsídio por cabeça para a não criação de porcos - e do requerimento para o efeito feito ao Ministro. Basta ler a parte final para entender tudo.
«Excelência. Estes porcos que não criaremos teriam comido 10 mil sacas de trigo. Ora, assegurando-nos que o governo indemnizará igualmente os agricultores que não cultivem o trigo. Nesta ordem de ideias, poderemos esperar que nos deem qualquer coisa pelas sacas de trigo que não serão cultivadas para os porcos que não criaremos. Ficar-vos-emos extraordinariamente reconhecidos se nos responder o mais rapidamente possível, porquanto julgamos que esta época do ano será a melhor para a não criação de porcos e, por isso, gostaríamos de começar quanto antes. Queira Vossa Excelência, Senhor Ministro, receber os protestos da maior consideração. P.S. – Excelência. Não obstante o exposto poderemos engordar 10 ou 12 porcos para nós, sem que isso venha a perturbar a nossa não-criação de porcos? Queremos assegurar que esses animais não entrarão no mercado e não significam mais do que a maneira de termos um pouco de toucinho e presunto para o inverno».



  • 20 de agosto O CASO DAS TULIPAS ASTRONÓMICAS…


Como foi a primeira grande crise financeira dos tempos modernos?
Oiçamos a história e pasme-se como a humanidade tem memória curta…
Em 1593, Carolus Clusius trouxe uns bolbos de túlipa de Constantinopla para Amesterdão, para os aplicar em fins medicinais. Perante a plantação que o botânico fez, os vizinhos, apercebendo-se da raridade e beleza da planta, roubaram diversos bolbos para com eles fazerem negócio… E assim nasceu uma autêntica corrida às túlipas – que, no início do século XVII, se tornaram sinal de estatuto social. Os preços dos bolbos de túlipa subiram e os especuladores perceberam que podiam lucrar com essa moda.
Os preços chegaram a valores astronómicos. Num só mês um bolbo passou a valer vinte vezes mais. A certa altura, a venda de um bolbo podia assegurar o sustento da tripulação de um navio durante mais de um mês.
Acontece que os bolbos só florescem 7 a 12 meses depois de plantados – e quando a floração acontece dura apenas uma semana na Primavera, aparecendo os bolbos no verão, de junho a setembro. Para obviar a esta dificuldade, os especuladores passaram a vender contratos sobre túlipas. Ao assinar o contrato o comprador assumia a obrigação de comprar uma túlipa no final da temporada – como hoje acontece nos contratos de futuros.
Em 1636 as bolsas holandesas negociavam bolbos e tulipas e os lucros eram fabulosos. Com os preços muito inflacionados estava-se perante uma bolha mercantil. Como normalmente acontece nestes casos, há um momento em que se descobre que os valores são absurdos e irreais.
No inverno de 1636-37, em Harlém, quando um negociante não honrou o seu contrato gerou-se o pânico e depressa os preços passaram para… um centésimo do que estava a ser praticado. A bolha tinha estourado… A crise das tulipas deu origem a uma depressão económica sem precedente e para evitar a miséria o governo foi obrigado a cobrir pelo menos dez por cento do valor dos contratos…
Convém, assim, não esquecer as lições da história. Sem criação de riqueza não pode haver prosperidade - e a ilusão gera a miséria.


 

  • 21 de agostoO INJUSTIÇADO BOCAGE…

Se há poeta português que continua a ser desconhecido e injustiçado, apesar do seu talento, ele é Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765-1805). É quem mais se aproxima de Camões na sua vida e como símbolo de português com a alma pelo mundo repartida.
Partiu para a Índia, ficou algum tempo no Rio de Janeiro, fez escala em Moçambique, cursou estudos regulares de oficial de Marinha em Nova Goa e foi colocado em Damão, donde desertou, indo até Macau. Fez, pois, a rota do Império e com justiça comparou-se ao lírico e épico de «Os Lusíadas»

Camões, grande Camões, quão semelhante
Acho teu fado ao meu, quando os cotejo!
Igual causa nos fez, perdendo o Tejo,
Arrostar co’o sacrílego gigante
 
Como tu, junto ao Ganges sussurrante,
Da penúria cruel no horror me veja;
Como tu, gostos vãos, que em vão desejo,
Também carpindo estou, saudoso amante.
 
Ludíbrio, como tu, da sorte dura
Meu fim demando ao Céu, pela certeza
De que só terei paz na sepultura.
 
Modelo meu tu és, mas… oh, tristeza!...
Se te imito nos transes da Ventura,
Não te imito nos dons da Natureza

 

Só 40 anos de vida, um apurado sentido poético, uma sólida cultura clássica… Alexandre O’Neill homenageou-o. E hoje devemos lê-lo, em vez de seguir as historietas que por aí andam…




  • 22 de agostoA RAZÃO DE SER DE PORTUGAL…

Alexandre Herculano é símbolo do século liberal português. A sua vida foi exemplo de retidão.
Quando morreu o seu admirado rei D. Pedro V, na flor da idade, o jovem monarca que tudo prometia, Bulhão Pato disse-nos que o Mestre chorou lágrimas verdadeiras.
No seu exílio de Vale de Lobos, em Santarém, tornou-se agricultor modelar, a ponto de o seu azeite ser um dos mais premiados internacionalmente.
O azeite Herculano era um néctar de uma pureza fantástica, conseguido com muito trabalho, investigação e com o conhecimento do que melhor se fazia na Europa.
Foi fundador da moderna historiografia portuguesa, por fidelidade às fontes autênticas.
Um dia, perguntaram-lhe por que razão havia Portugal. O velho sábio respondeu pausadamente. Se fizermos uma lista de razões para existir e para não existir, talvez sejam mais os motivos teóricos para não existir do que para existir...
Mas nestes debates, a teoria é menos importante do que a experiência e do que a prática. – O facto é que existimos, há muitos séculos. Razão? – Somos porque queremos. Seremos enquanto quisermos!

 


 

  • 23 de agosto MANJARES DE DEUSES E LITERATOS…


Ao falar-se, cada vez mais, de património cultural imaterial, temos de considerar a gastronomia e a culinária como matérias fundamentais.
E a verdade é que só podemos compreender as tradições e os costumes cuidando dos alimentos, sejam eles mais ricos ou mais pobres, consoante as circunstâncias, os territórios, as culturas e as economias locais.
Da sopa da pedra ao gaspacho encontramos tudo – desde a abundância à penúria, mas sempre a capacidade humana de superar as dificuldades e constrangimentos… E há a gastronomia popular e a culinária erudita… Há manjares de deuses e literatos.
Se lermos uma das obras-primas da cultura portuguesa gastronómica, percebemos isso mesmo. Falo-vos de «O Cozinheiro dos Cozinheiros», publicado por Paulo Plantier em 1870. Aí encontramos as mais extraordinárias receitas, as suas variantes e a sua história.
Hoje, a sua celebridade é maior no Brasil do que em Portugal, mas lá encontramos as nossas maiores glórias literárias e artísticas. E lá estão, por exemplo, as receitas de caça de Bulhão Pato, o grande memorialista, autor de «Paquita», braço direito de Herculano. E percebemos por que razão as «Ameijoas ditas à Bulhão Pato» não são uma receita do escritor.
De facto, foi João da Matta, o célebre cozinheiro do Hotel Central (o Hotel de «Os Maias») que, em homenagem a Bulhão Pato lhe dedicou o renomado manjar – que, aliás, o literato nunca cozinhou…


 

  • 24 de agosto - SHAKESPEARE CENSURADO…

Ainda há muito pouco, Luís Miguel Cintra recordou o momento em que Sophia de Mello Breyner disse ter terminado a tradução do «Hamlet» de Shakespeare.
Foi um momento heroico. Trata-se de uma obra-prima da língua portuguesa.
O mais curioso é que ocorreu em relação a esse texto de 1965 um episódio caricato que dá bem ideia do absurdo que é sempre qualquer ato de censura.
António Alçada Baptista pretendeu publicar um excerto dessa magnífica tradução na revista «O Tempo e o Modo» - mas, como acontecia nesses casos, era necessário enviar as provas do texto à Comissão de Censura. Importa esclarecer que a revista foi das mais martirizadas pela censura, tendo sofrido a proibição de cerca de metade dos textos que, entre 1963 e 1969, foram a exame.
Inesperadamente, o texto de Sophia veio totalmente cortado. António Alçada ficou estupefacto. Não esperava que tal acontecesse relativamente àquele texto clássico. Pegou no telefone e falou ao coronel dos serviços de censura. Eram coronéis reformados que normalmente estavam encarregados dessa tarefa…
Do lado de lá da linha, o censor confirmou o corte total do texto. António, com uma paciência infinda, explicou quem era Shakespeare e que o texto era do século XVII. No entanto, inabalável, o coronel insistiu na decisão. Era assim, não havia volta a dar… Mas não dava razões…

Perante a insistência, lá veio a justificação. É que no «Hamlet» há uma personagem de nome Marcelo – e (ainda que Salazar estivesse de saúde) falava-se com insistência na hipótese de Marcelo Caetano poder suceder ao Presidente do Conselho – como aconteceria três anos depois… E o censor estava convencido que havia naquela publicação uma intenção politica qualquer… 
Não se conformava, porém, António Alçada – e, palavra puxa palavra, tudo acabou com um corte parcial, não se publicando a fala de Marcelo…



  • 25 de agosto ACAUTELEM-SE OS ANÉIS DE SATURNO…


A imprensa do século XIX era palco de severas, normalmente violentas, acusações pessoais, que andavam perto da difamação, quando não punham seriamente em causa a dignidade dos alvos do tiroteio político…
O pior era ocupar a pasta da Fazenda. Quem fosse apanhado no lugar era certo e sabido que se tornava bombo de festa. O menos que os jornais da oposição diziam era que a vítima teria ido aos cofres do Estado
Aconteceu que Mariano de Carvalho foi nomeado ministro da Fazenda. Emídio Navarro era um proeminente membro da oposição a esse governo e dirigia o jornal «Novidades», na altura particularmente verrinoso.
Mariano de Carvalho saiu de ministro da Fazenda e foi ocupar o lugar de Diretor do Observatório Astronómico. O Emídio Navarro deu assim a notícia no jornal: “O Senhor Mariano de Carvalho deixou a pasta das Fazenda e foi nomeado diretor do Observatório Astronómico. Lá vai ficar Saturno sem os anéis…”. 


 

  • 26 de agosto - UM MINISTRO IMPOLUTO…

No último Diário de Agosto («Acautelem-se os Anéis de Saturno») falava-se de um caso, bastante comum, infelizmente, de acusações difamatórias e da circunstância de tantas vezes os ministros da Fazenda serem acusados das mais torpes faltas ou intenções… só que também há a registar os casos edificantes, dignos de elogio.

Anselmo José Braancamp foi definido no «Álbum das Glórias» de Rafael Bordalo Pinheiro como «de vidro» - por ser macilento, com ar branco e doentio, mas sobretudo por ser transparente e seriíssimo.

Um dia, sendo Anselmo José ministro da Fazenda, o Tesouro foi chamado a pagar uma importante amortização da dívida pública, para que não havia disponibilidades de caixa.

Perante tão séria dificuldade, envidaram-se os mais diversos procedimentos, mas sem sucesso. Como pagar?

Então, o ministro solveu do seu próprio bolso a amortização em falta – no que correspondeu inteiramente à fama que tinha ganho de político impoluto e de cidadão exemplar…


 

  • 27 de agosto - ESTRANHO MODO DE VIDA…


Esta aconteceu com o então Presidente do Grémio Nacional dos Editores e Livreiros, nos anos sessenta do século passado, Luís Borges de Castro, e foi-me contada também pelo António Alçada (de quem tenho muitas saudades).

Havia uma reunião de rotina da direção do Grémio e nela irrompeu a PIDE, para prender o Augusto Sá da Costa. Acontece que os PIDES se tinham esquecido de levar o papel azul regulamentar para escreverem o auto de detenção. Por isso, um deles mandou um subordinado de elétrico, do Largo do Andaluz até à Rua António Maria Cardoso para trazer o tal papel.

Durante cerca de 1 hora manteve-se uma atmosfera de cortar à faca, com uma ou outra interrupção – a pedir testemunhas e com o António a dizer que não contassem com ele para participar na prisão do Dr. Sá da Costa…

Borges de Castro tentava quebrar aquele gelo, a desdramatizar a situação… Para desanuviar, volta-se para o agente da PIDE e pergunta, palacianamente, como se aquilo fosse um modo de vida como outro qualquer:

- Então, têm prendido muita gente?...


 

  • 28 de agosto - ELE HÁ QUALQUER COISA…

Mais uma do Gualdino Gomes, nosso velho conhecido.

O Fialho de Almeida tinha uma espécie de amor-ódio por ele e estava sempre a meter-se com ele, por não ter obra e por desperdiçar o seu talento em linguados de jornal…

- Oh! Gualdino estou a ver os nossos netos a lerem as tuas obras completas…
O Gualdino, calado, ouvia, ouvia, e ia enchendo o saco. A certa altura, não se continha e rebentava. E lembrava-se de que o Fialho casara tarde e rico no Alentejo.

- Oh Fialho, diz-me aí as horas no relógio do teu sogro…

Outra vez, foi na estreia do «Tamar» do Alfredo Cortez, no Teatro Nacional, que se passava numa praia, com o cenário do mar ao fundo. Iam chegando os pescadores, com a mão na testa, em forma de pala, e passavam da direita para a esquerda no palco, olhando o horizonte, numa estranha marcação. Passou o primeiro, passou o segundo e, quando passou o terceiro, o Gualdino levanta-se e diz:
- Ele há qualquer coisa e é ali para o Intendente… Vou lá ver…


 

  • 29 de agosto - VERDI NO S. CARLOS?…

A ópera foi o campo de eleição do genial Giuseppe Verdi.
A Itália aspirava há muito à unificação, que pusesse fim à frágil manta de retalhos existente. Havia necessidade de ídolos e Verdi assumiu esse papel. E o artista tornou-se um herói nacional.
Lembramo-nos da cena inicial do filme «Senso» de Visconti: “O Trovador” arrebata os espíritos… O seu nome é escrito nos muros das cidades para significar o apelo unificador de «Vittorio Emmanuele Re d’Italia» (V.E.R.D.I.).
Poucos sabem, porém, que, segundo a tradição oral dos nossos meios operáticos, nos anos trinta do século XIX (1838), sendo ainda Verdi pouco conhecido, Angelo Frondoni (c. 1808-1891) foi escolhido como maestro do Teatro de S. Carlos. No entanto, em alternativa, o nome preterido foi o de Giuseppe Verdi. Foi Bartolomeo Merelli, em Milão, que indicou Frondoni, e há correspondência com Verdi, a propósito da sua primeira ópera representada no Teatro alla Scala. A antiga e muito repetida tradição confirma-se pelos dados históricos.
Mas há mais: quando o jovem rei D. Luís, grande melómano, visitou Paris em dezembro de 1866, foi recebido em casa de Rossini. E houve uma pequena receção, na qual, segundo a «Crónica dos Teatros», participou Verdi, e o rei de Portugal teria cantado a romanza do “Trovador”, com o acompanhamento ao piano do próprio Verdi. Este tornou-se o autor mais representado em Portugal.
“Rigoletto”, “Trovador” e “La Traviata” estrearam-se no Porto, enquanto em Lisboa couberam as estreias de “Nabucco”, “O Baile de Máscaras”, “Ernâni” e “Macbeth”.
Em 27 de janeiro de 1901, no dealbar do novo século, Verdi morreu – como símbolo máximo da ópera – e bem poderia ter dirigido o nosso S. Carlos...



  • 30 de agostoNEMÉSIO, SEM LIMITE DE IDADE…

Vitorino Nemésio é uma das figuras mais interessantes da cultura da língua portuguesa do último século.
Autor de um romance capital, como «Mau Tempo no Canal», foi o grande investigador da Mocidade de Herculano e de tantos temas luso-brasileiros, o ensaísta da cultura da língua pelo mundo repartida, o cronista inspiradíssimo e o inesperado poeta, com uma verve inesgotável…

E se falo de inesperado poeta é porque a sua escrita revela-nos quase que uma outra personalidade - um autêntico heterónimo, em que, apesar da idade, há uma juventude límpida que se foi manifestando independentemente da idade…
Dir-se-ia que a grande riqueza do mestre está na capacidade de voar pelo mundo da vida, sem preconceito e com verdadeira intuição criadora. E, como não poderíamos deixar de o referir nesta série de Agosto, eis um dos seus belos poemas, publicado em «O Verbo e a Morte»:

    A tempo entrei no tempo,
    Sem tempo dele sairei:
    Homem moderno,
    Antigo serei.
    Evito o inferno
    Contra tempo, eterno
    À paz que visei.
    Com mais tempo
    Terei tempo:
    No fim dos tempos serei
    Como quem se salva a tempo.
    E, entretanto, durei.
 


  • 31 de agosto - AGOSTO AZUL…


Chegados ao dia 31, devemos invocar o grande escritor português do mês de Agosto – que é Manuel Teixeira Gomes.

Agosto Azul – é uma referência inesquecível, que invoca o Algarve, o Sul, o Sol, o Mediterrâneo. Sim, porque Portugal é fruto do casamento marítimo do Mediterrâneo com o Atlântico. Daí o Promontório Sagrado, que une as duas extraordinárias vocações e influências. E de Teixeira Gomes, o algarvio que foi Embaixador, escritor, Presidente da República, referência cívica devemos lembrar um pequeno retrato que nos deixou:
«Fiz-me negociante, ganhei bastante dinheiro e durante quase vinte anos (1890-1910) viajei, passando em Portugal poucos meses. Montei a vida de forma que na região compreendida pelo norte da França, a Bélgica e a Holanda, onde vendia os produtos do Algarve, levava quatro ou cinco meses, ia a casa liquidar contas, e depois nos cinco meses restantes, livre e despreocupado, metia-me no Mediterrâneo, cujas costas visitei por assim dizer passo a passo».
De tal modo foi apaixonado do Mediterrâneo que acabou seus dias em Bougie, lembrando no azul-cobalto do mar o seu Algarve de sempre… E a Norberto Lopes, confessará como é o seu dia. E descobrimos como são diferentes os hábitos desse tempo.
E a vida frugal do escritor impressiona-nos…
«Levanto-me às quatro da manhã. Preparo eu mesmo, no quarto, o meu almoço. São as melhores horas do dia, aquelas em que ainda posso fazer alguma coisa: ler, escrever. Ao meio-dia, janto. Às duas e meia, saio para ir ao correio. Às quatro, tomo um chá de tília – e em seguida recolho-me. Creio que é, em parte, devido a este regime alimentar que me vou aguentando. Além disso, tenho as cartas, os artigos, os livros, é isto que me prende à vida».
Ah! Como se lembra a sociedade rural de antanho – o almoço ao alvorecer, a janta ao meio-dia, e, por fim, a merenda e a ceia… Como mudou tudo, por causa da eletricidade e da possibilidade de termos luz durante mais tempo e não apenas dependente do irmão sol…


 

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Antestreia do filme A PARTIR DE UMA HISTÓRIA VERDADEIRA

Baseado no romance de Delphine de Vigan este filme foi a aposta do Festival de Cannes para ser o filme de encerramento da seleção oficial, extracompetição. Em parceria com a PRIS Audiovisuais, oferecemos convites para a antestreia em Gaia e Lisboa, dia 20 de dezembro. Habilite-se a ser um dos felizes contemplados!

Passatempo

Ganhe convites para o musical POCAHONTAS

Em parceria com a Yellow Star Company, oferecemos convites duplos para esta peça de teatro musical que está em cena até 30 de dezembro, nos cinemas UCI do El Corte Inglés, em Lisboa. Participe e... boa sorte!  

Visitas
32,422,704