"É de Cultura como instrumento para a felicidade, como arma para o civismo, como via para o entendimento dos povos que vos quero falar"

Notícias

Os coches já têm legendas (e muito mais)

É um Museu dos Coches por fim completo, o que abre portas amanhã, em horário alargado e com entrada gratuita.

Jorge Amaral/Global Imagens

 

"Você tem um museu maravilhoso! É muito lindo". Foi com estas palavras que o arquiteto brasileiro Paulo Mendes da Rocha cumprimentou a diretora do Museu dos Coches, Silvana Bessone, antes do início da visita guiada aos jornalistas, que decorreu ontem. O museu mais visitado do país reabre hoje, em cerimónia reservada aos convidados e, no sábado e domingo, franqueia as portas aos visitantes. E como no sábado se comemora a Noite dos Museus, é possível entrar até às 23.00.

Ao fim de dois anos em funcionamento no novo edifício projetado por Paulo Mendes da Rocha e pelos ateliês Bak Gordon e Nuno Sampaio, o Museu dos Coches ganha condições para que o visitante tenha ao dispor informação sobre o que está a ver. O Museu deixou, por fim, de ser - como se dizia em tom de chacota - uma garagem de luxo. O que há de novo? Em primeiro lugar, as barreiras brancas e baixas em torno dos coches, berlindas, liteiras, cadeirinhas e de outros meios de transporte construídos entre os séculos XVII e XIX. É como uma moldura que dispõe de texto em quatro línguas (além do português, francês, inglês e espanhol). Junto a estas barreiras há ecrãs que permitem a interação - e até contam histórias dirigidas a crianças.

Em 16 vitrinas encontram-se artefactos que enquadram cada grupo de coches. Por exemplo, em frente aos enviados por D. João V na embaixada ao Papa Clemente XI encontra-se uma pintura de Rodrigo Anes de Sá Almeida e Meneses, que, ao regressar de Roma, foi reconhecido pelo monarca como marquês de Abrantes.

Enquanto se ouve música clássica - mas também podem ser outros elementos sonoros -, as paredes brancas ganham uma nova dimensão ao receberem a projeção de filmes. Como o que recria uma caçada de D. Luís na Tapada de Mafra. "Olha a viagem no meio da floresta. Que lindo!", exulta o arquiteto brasileiro. Que tece rasgados elogios ao trabalho do português Nuno Sampaio na "acomodação" dos elementos expositivos e na dinâmica criada. Sobre o seu trabalho, diz o seguinte: "Este espaço tinha de ter altura. Ficaria ridículo se os coches ficassem num quartinho. Por não ter pilares ao meio, as vigas tiveram de ficar na parede." Quanto à localização e à envolvente, comenta: "O Governo queria ligar a estrutura ao rio com uma rampa.

Isto é uma região turística, não é só um edifício. Ganhou o lugar uma nova circunstância. Esta caixa hermética e climatizada necessariamente tinha de oferecer uma nova configuração do espaço urbano em Belém, o que é um grande valor do ponto de vista turístico e de memória histórica."

Ao DN, a diretora-geral do Património Cultural, Paula Silva, explicou que para a ponte pedonal começar a ser construída falta um último passo burocrático, o auto de consignação. "A obra vai ser iniciada nestes dias", garante.


por César Avó, in Diário de Notícias | 19 de maio de 2017

Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Jornal Diário de Notícias

Agenda
Ver mais eventos

Passatempos

Passatempo

Ganhe convites para o concerto de Jozef Van Wissem

Em parceria com Auditório de Espinho, temos convites duplos para assistir ao concerto de Jozef Van Wissem, no próximo sábado (27 de maio) às 21h30. Findo o passatempo, anunciamos aqui os nomes dos felizes contemplados.

Passatempo

Ganhe 1 bilhete duplo para o concerto do Momo!

Momo anuncia dois concertos de lançamento de “Voá” em Lisboa e Porto, dias 27 de maio no Maus Hábitos, no Porto, e dia 2 de junho na Casa Independente em Lisboa.Em parceria com a Universal Music, temos convites duplos para oferecer! Passatempo encerrado. Anunciamos aqui os nomes dos vencedores.

Visitas
31,082,497